A etnomatemática no encontro entre práticas e saberes: Convergências, tensões e negociação de sentidos

Alexandrina Monteiro, Jackeline Rodrigues Mendes

Resumen


Resumo

A proposta desse texto é apresentar debate em torno noção de diálogo mobilizado  nos estudos da Etnomatemática, em especial aqueles que buscam relações com a Teoria Crítica do Currículo.  Partimos do pressuposto de que noções de diálogo têm permeado os trabalhos sobre o currículo, provenientes das perspectivas da Etnomatemática e da Teoria Crítica, quando se abordam as relações que podem ser estabelecidas no encontro entre diferentes práticas e saberes no espaço escolar. Assim, discutimos as implicações, para o campo da Etnomatemática quando se pensa o diálogo nas perspectivas: Freiriana e do Círculo de Bakhtin. Diante disso, entendemos ser necessário discutir as diferentes formas de apropriação e uso do termo diálogo no campo da educação e em especial no campo da Etnomatemática. Procuramos apresentar uma discussão dessa noção, a partir da perspectiva de dialogia apresentada nos estudos bakhtinianos, para além de perspectivas que possam entender o diálogo como uma forma de relação harmoniosa, de acordo ou interação simétrica, acenando para uma visão mais complexa que envolve tensão e negociação de sentidos nesses processos dialógicos.

Abstract

This text aims to discuss the meanings given to dialogue in the Ethnomathematics studies, particularly those related with Critical Theory Curriculum. We start from the statement that dialogue is present in Ethnomathematics and Critical Theory Studies, mainly when these studies discuss relationships between different practices and knowledge in school. We intend to discuss the implications for the field of Ethnomathematics when we think the dialogue in two perspectives: Freire and Bakhtin Circle. Therefore, we believe it is necessary to discuss different forms of appropriation and use of the term dialogue in the field of education and in particular in Ethnomathematics. We present a discussion of this notion, from the perspective of dialogism in Bakhtin studies, beyond dialogue as a way of harmonious relationship, agreement or symmetric interaction, waving to a complex vision that involves tension and negotiation of senses in these dialogical processes.


Palabras clave


Currículo; Etnomatemática; Dialogo; Curriculum; Ethnomathematics; Dialogue

Referencias


Bakhtin, M. (1986). Marxismo e filosofia da Linguagem. São Paulo: Hucitec.

Bello, S. E. (2006). Diferenciação, relações de poder e etnomatemática: Historiografia, perspectivas e (res)significações. Horizontes, 24(1), 51-67.

Conrado, A. L. (2004). Etnomatemáticas: sobre pluralidade nas significações do programa Etnomatemática, Em J. P. Ribeiro, M. C. Domite, & R. Ferreira (Orgs.), Etnomatemática: papel, valor e significado (pp. 75-87). São Paulo: Zouk.

D’Ambrósio, U. (1990). Etnomatemática. São Paulo: Ática.

D’Ambrósio, U. (2001). Etnomatemática: Elo entre as tradições e a Modernidade, Belo horizonte: Autêntica.

Domite, M. C. S. (2005). O desafio da educação matemática: da pluralidade aos focos de interesse. (Tese de Livre Docência). Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo-Brasil.

Freire, P. (1982). Pedagogia do oprimido. São Paulo: Ed. Paz e Terra S.A.

Freire, P. (1994). Pedagogia da Esperança. Um reencontro com a pedagogia do oprimido. São Paulo: Ed. Paz e Terra S.A.

Giroux, H. (1993). O pós-modernismo e o discurso da crítica educacional. Em T. T. Silva (Org.), Teoria educacional crítica em tempos pós-modernos (pp. 41-69). Porto Alegre: Artes Médicas.

Faraco, C. (2003). A Linguagem & Diálogo: as idéias lingüísticas do círculo de Bakhtin, Curitiba: Criar Edições.

Faria, J. B. (2007). Relações entre práticas de numeramento mobilizadas e em constituição nas interações entre sujeitos da educação de Jovens e Adultos. (Dissertação de mestrado). UFMG, Belo Horizonte-Brasil.

Fonseca, M. C. (2005). O sentido matemático do letramento nas práticas sociais. Revista Presença Pedagógica, 64, 5-19.

Foucault, M. (1996). Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes.

Kleiman, A. (1995). "O que é letramento? Modelos de letramento e as práticas de alfabetização na escola". Em Kleiman (Org.), Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita (pp. 15-61). São Pablo: Mercado das Letras.

Knijnik, G. (1996). Exclusão e Resistência – Educação Matemática e Legitimação Cultural. Porto Alegre: Artes Médicas.

Lübeck, M., & Rodrigues, T. D. (2013). Incluir é Melhor que Integrar: uma concepção da Educação Etnomatemática e da Educação Inclusiva. Revista Latinoamericana de Etnomatemática, 6(2), 8-23.

Mendes, J. R. (2001). Práticas de numeramento-letramento dos Kaiabi no contexto de formação de professores índios do Parque Indígena do Xingu. (Tese de doutorado). Universidade Estadual de Campinas. UNICAMP, São Paulo-Brasil.

Mendes, J. R. (2007). Matemática e práticas sociais: uma discussão na perspectiva do numeramento. Em J. R. Mendes, & R. C. Grando (Orgs.), Matemática e produção de conhecimento: múltiplos olhares (pp. 11-29). São Paulo: Musa.

Monteiro, A., & Mendes, J. R. (2006). Reflexões acerca das noções de diálogo presente nos discursos curriculares. Conferencia presentada en el 2° Seminário Brasileiro de Estudos Culturais, Universidade Luterana do Brasil, Canoas, Brasil.

Monteiro, A., & Mendes, J. R. (2008). A Etnomatemática no encontro entre práticas e saberes: espaços de tensão e negociação de sentidos. Conferencia presentada en el 3° Congresso Brasileiro de Etnomatemática, UFF, Niterói, Brasil.

Monteiro, A. (2004a). A etnomatemática em cenários de escolarização: alguns elementos de reflexão. Em G. Knijnik, F. Wanderer, & C. J. Oliveira (Orgs.), Etnomatemática: currículo e formação de professores (pp. 432-446). Santa Cruz do Sul: EDUNISC.

Monteiro, O., & Domite, M. C. S. (Orgs.), (2004b). Etnomatemática: papel, valor e significado. São Paulo: Zouk.

Monteiro, A., & Berro, R. T. (2014). A arte da Abstração: estudo das geometrias não euclidianas nas obras de Escher. Em J. R. Mendes, & A. M. Nacarato (Orgs.), Tramas, urdumes e Práticas: diversos olhares para a educação escolar (pp. 251-268). Mercado das Letras.

Monteiro, A., & Souza, J. S. (2014). Por trilhas desconhecidas: a experiência do mestrado na vida de um professor. Em J. R. Mendes, & A. M. Nacarato (Orgs.), Tramas, urdumes e Práticas: diversos olhares para a educação escolar (pp. 269-288). Mercado das Letras.

Monteiro, A., & Mincov, S. R. (2014). Identidades Juvenis produzidas dentro das práticas de consumo: implicações para a educação matemática. Em J. R. Mendes, & A. M. Nacarato (Orgs.), Tramas, urdumes e Práticas: diversos olhares para a educação escolar (pp. 289-307). Mercado das Letras.

Moreira Antonio, F. B. (1997). Currículo, utopia e pós-modernidade. Em F. B. Moreira (Org.), Currículo: questões atuais. Campinas, (pp. 9-28). SP: Papirus.

Moreira Antonio, F. B. (2002). Currículo, diferença cultural e diálogo. Educação & Sociedade, 79(23), 15-38.

Moreira Antonio, F., & Silva, T. T. (Org.), (2002). Currículo, Cultura e Sociedade. 6ª edição, São Paulo: Cortez.

Ribeiro, J. P. M. (2006). Etnomatemática e a Formação e Professores Indígenas: Um Encontro necessário em meio ao diálogo intercultural. (Tese de Doutorado). Faculdade de Edcuação, Universidade de São Paulo, Brasil.

Souza, L. M. M. (1995). O conflito de vozes na sala de aula. Em M. J. Coracini (Org.), O jogo discursivo na aula de leitura. Língua Materna e Língua Estrangeira (pp. 21-26). Campinas: Pontes.

Veiga-Neto, A. (2002). De geometrias, currículo e diferenças. Educação & Sociedade, 79(23), 163-186.

Vergani, T. (2007). Educação etnomatemática: o que é?. Natal, Brasil: Editora Flecha do tempo.

Vilela, D. S. (2007). Matemáticas nos usos e jogos de linguagem: ampliando concepções na educação matemática. (Tese de Doutorado). Faculdade de Educação, UNICAMP, Brasil.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c)



Revista Latinoamericana de Etnomatemática: perspectivas socioculturales de la Educación Matemática
e-ISSN: 2011-5474
Departamento de Matemáticas y Estadística- Universidad de Nariño
San Juan de Pasto- Colombia
E-mail: revista@etnomatematica.org
Sitio web: http://www.revista.etnomatematica.org
Tele-fax: (57)2+7310327

Licencia Creative Commons
Revista Latinoamericana de Etnomatemática por Universidad de Nariño y Red Latinoamericana de Etnomatemática se distribuye bajo una Licencia Creative Commons Atribución 4.0 Internacional.