Raciocínio proporcional e resolução de problemas em contextos piscatórios portugueses

Filipe Sousa, Pedro Palhares, Maria Luísa Oliveras

Resumen


Resumo

Desde os tempos remotos que o ser humano, em particular os mercadores, utilizavam conhecimentos matemáticos que lhes permitiam resolver problemas ligados às trocas comerciais, e que os menos hábeis no contexto dos negócios e da matemática, julgavam não ter solução ou serem de difícil resolução. Os problemas que envolvessem raciocínio proporcional eram considerados de média ou elevada complexidade. No entanto, os mercadores há muitos séculos atrás, sem escolarização formal, resolviam engenhosamente problemas de relativa complexidade. Ainda hoje, alguns profissionais, apesar da sua baixa escolarização, têm uma relação muito próxima com problemas que envolvam raciocínio proporcional. É o exemplo de comunidades piscatórias que utilizam conhecimentos matemáticos informais no seu quotidiano, mas que por vezes se torna difícil transpô-los para a sala de aula e vice-versa. Também em contextos escolares que não nos piscatórios, os alunos revelam dificuldades na resolução de problemas sobre raciocínio proporcional. Este trabalho tratando-se de uma investigação de natureza qualitativa e com enfoque na Etnomatemática como pano de fundo, foi desenvolvido em duas comunidades piscatórias (Câmara de Lobos-Madeira e Caxinas) recolhendo informação sobre elementos matemáticos utilizados no seu quotidiano (construção de barcos). Em fase posterior teve lugar a aplicação de tarefas no contexto do raciocínio proporcional em duas escolas com alunos (10-12 anos) de contextos distintos: alunos da comunidade piscatória de Caxinas e alunos de contexto mais citadino de Vila Nova de Famalicão. Os dados são apresentados de forma descritiva e interpretativa, nomeadamente as estratégias de resolução e as dificuldades dos alunos. Apresenta-se também uma breve referência sobre a possível influência/interferência da matemática escolar no desempenho dos alunos destes dois contextos sociais tão distintos, perante as mesmas tarefas matemáticas. Com a escassez deste tipo de investigação (Etnomatemática – Raciocínio Proporcional – Contexto Piscatório) em Portugal, pode ser o impulso para novas investigações na Etnomatemática, estudando contrastes e/ou semelhanças no desempenho de alunos de contextos culturais específicos relativamente aos demais.

Abstract

Since ancient times human beings, particularly the merchants, used mathematical knowledge enabling them to solve problems related to trade, which the least skilled in the business or the mathematics context, thought to have no solution or to be too difficult to solve.Problems involving proportional reasoning were considered of medium to high complexity. However, the merchants, many centuries ago, without formal schooling, ingeniously solved some problems of relative complexity.Even today, some professions, despite their low levels of education, have a very close relationship with problems involving proportional reasoning. Such is the case of fishing communities that use informal mathematical knowledge in their daily lives, although sometimes this becomes difficult to translate into the classroom language and vice versa.

This study, of a qualitative nature with Ethnomathematics as a reference, was developed in two fishing communities (Câmara de Lobos - Madeira and Caxinas) by collecting information on mathematical elements used in everyday life (boat building). At a later stage, tasks in the context of proportional reasoning were applied with students (of 10-12 years) of two schools of different contexts: with the fishing community of Caxinas and with the more urban context of Vila Nova de Famalicão.

Data will be presented in a descriptive and interpretative form, including both students' strategies and difficulties. Also we will present a brief analysis on the possible influence or interference of school mathematics on the performance of students in these two very different social contexts while faced with the same mathematical tasks.


Palabras clave


Etnomatemática; Educação Matemática; Raciocínio Proporcional; Ethnomathematics; Mathematics Education; Proportional Reasoning

Referencias


Brousseau, G. (1997). Theory of didactical situations in mathematics. Dordrecht: Kluwer.

Carraher, D., Carraher, T. N., & Shilemann, A. (1988). Na Vida Dez, na Escola Zero. São Paulo: Cortez.

Cramer, P, Post, T, & Currier, S. (1993). Learning and teaching ratio and proportion: Research implications. In: D. Owers (Ed.), Research ideias for the classroom (pp. 159-178). New York, NY: Macmillan.

D’Ambrósio, U. (1993). Etnomatemática: um programa. A Educação Matemática em Revista, 1(1), 5-11.

D’Ambrósio, U. (1998). Etnomatemática: Arte ou técnica de explicar e conhecer. 5ª Edição. São Paulo: Editora Ática.

D’Ambrósio, U. (2002). Etnomatemática: o elo entre as tradições e a modernidade. 2ª edição. Belo Horizonte. Editora Autêntica.

D’Ambrosio, U. (2006). Ethnomathematics – Link between traditions and modernity. Rotterdam, Netherlands: Sense Publishers.

Garcia, M. C. (1992). Dar sentido a los datos: la combinación de perspectivas cualitativa e cuantitativa en el análisis de entrevistas. In M. C. Garcia. La investigatión sobre la formatión del professorado. Métodos de Investigatión y Análisis de Datos.(pp. 13-48) Argentina: Editorial Cincel.

Gerdes, P. (2007). Etnomatemática. Reflexões sobre Matemática e Diversidade Cultural. V. N. Famalicão: Edições Humus.

Hart, K.M. (1984). Ratio: Children’satrategies & errors. Windsor, England: NFER-Nelson Publishing Company.

Karplus, E. F., Karplus, R., & Wollmann, W. (1974). The influence of cognitive style. School Science and Mathematics, 6, 476-482.

Knijnik, G. (2008). Mathematics education and cultural diversity: peasant’s mathematics in struggle for land. In P. Palhares (Coord.), Ethnomathematics: a look at the cultural diversity and mathematics learning (pp. 131-156). V. N. Famalicão: Húmus.

Lamon, S. (1994). Ratio and proportion: Cognitive foundations in unitizing and norming. In G. Harel, & J. Confrey (Eds.), The development of multiplicative reasoning (pp. 89-120). New York: Suny Press.

Lamon, S. (2005). Teaching fractions and ratios for understanding: Essential content knowledge and instructional strategies for teachers (2ª ed.). Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum.

Langrall, C., & Swafford, J. (2000). Three balloons for two dollars: Developing proportional reasoning. Mathematics Teaching in the Middle School, 6, 254-261.

Lesh, R., Post, T., & Behr, M. (1988). Proportional reasoning. In J. Hiebert, & M. Behr (Eds.), Number Concepts and Operations in the Middle Grades (pp. 93-118). Reston, VA: Lawrence Erlbaum & National Council of Teachers of Mathematics.

Lessard-Hérbert, M., Goyette, G., & Bouti, G. (1994). Investigação Qualitativa: Fundamentos e Práticas. Lisboa: Instituto Piaget.

Monteiro, A. (2004). A Etnomatemática em Cenários de Escolarização: alguns elementos de reflexão. In G. Knijnik, F. Wanderer, & C. J. Oliveira (Orgs.), Etnomatemática: Currículo e Formação de Professores (pp. 432-446). Santa Cruz do Sul: UNISC.

Monteiro, A., Orey, D. C., & Domite, M. C. S. (2004). Etnomatemática: papel, valor e significado. In J. P. M. Ribeiro, M. C. S. Domite, & R. Ferreira (Orgs.), Etnomatemática: papel, valor e significado (pp. 13-37). São Paulo: Zouk.

Noelting, G. (1978). La construction de la notion de proportion chez l’enfant et l’adolescent et les mécanismes d’ equilibration. Numéro special de L’APAME, École de Psichology, Université Laval, Québec.

Nunes, T. (2010). Continuities and discontinuities between informal and scientific mathematical thinking: insights for education. In Márcia M. F. Pinto & Teresinha F. Kawasaki (Eds.), Proceedings of the 34th conference of the International Group for the Psychology of Mathematics Education, vol 1, (pp. 328-332). Belo Horizonte, Brazil: PME.

Oliveira, H. D. L. (2004). A Etnomatemática em Cenários de Escolarização: alguns elementos de reflexão. In G. Knijnik, F. Wanderer, C. J. Oliveira (Org.). Etnomatemática: Currículo e Formação de Professores (pp. 305-322). Santa Cruz do Sul: UNISC.

Oliveira, I. A. F. G. (2000). Um estudo sobre proporcionalidade: a resolução de problemas de proporção simples no ensino fundamental. Dissertação de mestrado em Educação. Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

Oliveira, I. (2009). Proporcionalidade: estratégias utilizadas na Resolução de Problemas por alunos do Ensino Fundamental no Quebec. Bolema, Rio Claro (SP), Ano 22, n.º 34, pp. 57-80.

Oliveras, M. L. (2006). Etnomatemáticas. De la multiculturalidad al mestizaje [Ethnomathematics. From multiculturality to miscegenation]. En: Matemáticas e interculturalidad (pp. 117-149). Biblioteca de UNO. Número 232, Graó. Barcelona. ISBN: 13: 978-84-7827-464-2.

Palhares, P. (2012). Mathematics Education and ethnomathematics: a connection in need of reinforcement. Redimat–Journal of Research in Mathematics Education, 1(1), 79-92.

Post, T., Behr, M., & Lesh, R. (1988). Proportionality and the development of pre-algebra understandings. In: Algebraic concepts in the curriculum K-12 (1988 Yearbook). Reston, VA: National Council of Mathematics.

René de Contret, S. (1991). Étude de l’influence dês variables indique de proportionalité du théme et nombre de couples de données sur la reconnaissance, le taitement et la compréhension de problèmes de proportionalité chez dês élèves de 13-14 ans. Tese de Doutoramnto em Educação Matemática – Université Joseph Fourier, Grenoble.

Singer, J., Kohn, A., & Resnick, L. (1997). Knowing about proportions in diferente contexts. In: T. Nunes & P. Bryant (Orgs.), Learning and teaching mathematics: An international perspective (pp. 115-132). Hove: Psychology Press.

Sousa, F. (2006). Pescadores e Calafates: A Etnomatemática na Baía de Câmara de Lobos. Tese de mestrado. Instituto de Estudos da Criança: Universidade do Minho. Portugal.

Sousa, F. (2008). Proporcionalidade Direta. In E. Mamede (Ed.), Matemática – ao encontro das práticas – 2.º ciclo (pp. 227-238). Instituto de Estudos da Criança – Universidade do Minho. Braga.

Spinillo, A. G. (1994). Raciocínio proporcional em crianças; considerações acerca de alternativas educacionais. Pro-posições, vol. 5, n.º 1 (13), 109-114.

Tournaire, F. (1986). Proportions in elementary school. Educational Studies in Mathematics, 17, 401-412.

Vergnaud, G. (1991). El niño, las matemáticas y la realidade: problemas de la enseñanza de las matemáticas. Trillas, México.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c)



Revista Latinoamericana de Etnomatemática: perspectivas socioculturales de la Educación Matemática
e-ISSN: 2011-5474
Departamento de Matemáticas y Estadística- Universidad de Nariño
San Juan de Pasto- Colombia
E-mail: revista@etnomatematica.org
Sitio web: http://www.revista.etnomatematica.org
Tele-fax: (57)2+7310327

Licencia Creative Commons
Revista Latinoamericana de Etnomatemática por Universidad de Nariño y Red Latinoamericana de Etnomatemática se distribuye bajo una Licencia Creative Commons Atribución 4.0 Internacional.