A Matemática no currículo das escolas indígenas: um desafio da Educação Matemática

Neomar Lacerda da Silva, Maria Elizabete Souza Couto, Rachel de Oliveira

Resumen


A Matemática no currículo das escolas indígenas: um desafio da Educação Matemática

Resumo

 

Este estudo é uma reflexão acerca do “lugar” da matemática no currículo das escolas indígenas, ao considerar os anseios e demandas desses povos quanto à construção de um currículo que respeite e valorize as tradições do grupo, e teve por objetivo analisar o Referencial Curricular Nacional para as Escolas Indígenas. A abordagem metodológica consiste numa pesquisa qualitativa e, para tanto, utilizamos da análise documental, da qual emergiram como categorias de análise: o sentido do estudo da matemática indígena e da matemática não indígena; o caráter multicultural da matemática indígena; e os saberes matemáticos dos estudantes indígenas constituídos na vida em comunidade. A análise revelou que o ensino de matemática tal qual é proposto no currículo das escolas indígenas se sustenta pela situação de contato entre os índios e a sociedade mais ampla, e a necessidade da operacionalização de um currículo que respeite a multiculturalidade própria de cada grupo étnico.

Abstract

 

This study is a reflection on the "place" of Mathematics in the curriculum of indigenous schools, considering the aspirations and demands of these peoples in the construction of a curriculum that respects and values the traditions of the group, and aimed to analyze the National Curricular Framework for the Indigenous Schools. The methodological approach consists of a qualitative research and, for that, we use documentary analysis, from which emerged as categories of analysis: the meaning of the study of Indigenous Mathematics and Non-Indigenous Mathematics; The multicultural character of Indian Mathematics; and the mathematical knowledge of indigenous students constituted in community life. The analysis revealed that the teaching of Mathematics as proposed in the curriculum of indigenous schools is supported by the situation of contact between the Indians and the wider society, and the need to operationalize a curriculum that respects the multiculturality of each ethnic group.


Palabras clave


Educação Matemática; Referencial Curricular Nacional para as Escolas Indígenas; Etnomatemática; Ensino de Matemática nas Escolas Indígenas;Mathematics Education; National Curricular Framework for Indigenous Schools; Ethnomathematics; Teaching Mathematics

Referencias


Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília.Recuperado em 21 fevereiro, 2017, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm

Brasil. (1996). Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Nº 9.394 de 1996. Brasília. Recuperado em 21 fevereiro, 2017, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm

Brasil. (1998). Referencial Curricular Nacional para as Escolas Indígenas. Ministério da Educação e Cultura do Brasil. Brasília. Recuperado em 21 fevereiro, 2017, de http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=26700

Brasil. (1999). Resolução CEB n. 3, 10 de novembro de 1999. Fixa Diretrizes Nacionais para o funcionamento das escolas indígenas e dá outras providências. Câmara de Educação Básica. Conselho Nacional de Educação. Brasília. Recuperado em 21 fevereiro, 2017, de http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rceb03_99.pdf

D’Ambrosio. U. (2002). Etnomatemática: um enfoque antropológico da matemática e do ensino. In M, K, L, Ferreira. (Org.). Ideias matemáticas de povos culturalmente distintos (pp. 25-36). São Paulo: Global.

D’Ambrosio. U. (2005). Etnomatemática: elo entre as tradições e a modernidade. Belo Horizonte: Autêntica.

Davis, P. J., & Hersh, R. (1985). A experiência matemática. Rio de Janeiro: Francisco Alves.

Frankenstein, M., & Powell, A. B. (1997). Ethnomathematics: challenging eurocentrismin mathematics education. New York: SUNY.

Geertz, C. (2008). A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: LTC.

Knijnik, G. (1996). Exclusão e resistência: educação matemática e legitimidade cultural. Porto Alegre: Artes Médicas.

Lüdke, M., & André, M. E. D. A. (1986). Pesquisa em Educação: Abordagens Qualitativas. São Paulo: EPU.

Santos, B. S. (2006). A gramática do tempo: para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez.

Santos, B. S., & Meneses, M. P. (Orgs.). (2010). Epistemologias do Sul. São Paulo: Editora Cortez.

Silva, M. F., & Azevedo, M. M. (1995). Pensando as Escolas dos Povos Indígenas no Brasil: o Movimento dos Professores Indígenas do Amazonas, Roraima e Acre. In A, Lopes da Silva, & L. D. B. Grupioni, A Temática Indígena na Escola (pp. 149-161). Brasília: MEC/MARI/ UNESCO.

Silva, T. T. (2005). Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

Todorov, T. (1993). Nós e os outros: a reflexão francesa sobre a diversidade humana. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

Thompson, J. B. (1995). Ideologia e cultura moderna: teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. Petrópolis, RJ: Vozes.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2017 Revista Latinoamericana de Etnomatemática

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.

Revista Latinoamericana de Etnomatemática: perspectivas socioculturales de la Educación Matemática
e-ISSN: 2011-5474
Departamento de Matemáticas y Estadística- Universidad de Nariño
San Juan de Pasto- Colombia
E-mail: revista@etnomatematica.org
Sitio web: http://www.revista.etnomatematica.org
Tele-fax: (57)2+7310327

Licencia Creative Commons
Revista Latinoamericana de Etnomatemática por Universidad de Nariño y Red Latinoamericana de Etnomatemática se distribuye bajo una Licencia Creative Commons Atribución 4.0 Internacional.