Pedagogia etnomatemática: uma proposta para o ensino de matemática na educação básica

Francisco de Assis Bandeira

Resumen


Resumo

As reflexões apresentadas neste artigo são parte de uma proposta de reorientação curricular em educação matemática que defende a utilização do conhecimento matemático vivenciado pelo aluno em sua comunidade como subsídio metodológico para o processo de ensino-aprendizagem da matemática escolar. Mas, à luz das concepções d‟ambrosianas de Etnomatemática, principalmente, a educacional, que procura compreender a realidade sociocultural e chegar à ação pedagógica de maneira natural mediante um enfoque cognitivo com forte fundamentação cultural. Para a concretização dessa proposta no campo educacional, busquei fundamentos legais, dentre os quais, os Parâmetros Curriculares Nacionais, que propõem ser apenas um documento de referência para que as escolas organizem suas propostas curriculares. Nesse sentido, associei os blocos de conteúdos dos Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Fundamental da Matemática aos conhecimentos matemáticos de uma comunidade de horticultores da Grande Natal/RN.

Abstract

The reflections presented in this article are part of a proposal for a reorientation in mathematics education curriculum which advocates the use of mathematical knowledge experienced by students in their community as a subsidy to the methodological process of teaching and learning of school mathematics. To carry out this proposal in the educational field, I sought legal grounds, among which the National Curriculum Parameters, which propose only be a reference document for schools organize their curriculum proposals. In this sense, joined the blocks of content in the National Curriculum Parameters of elementary school mathematics to mathematical knowledge of a community of growers of Natal/RN.


Palabras clave


Cultura; Matemática; Etnomatemática; Aprendizagem; Culture; Mathematics; Ethnomathematics; Learning

Referencias


Apple, M. W. (2002). A política do conhecimento oficial: faz sentido a idéia de um currículo nacional?. In: MOREIRA, Antonio Flávio; SILVA, Tomaz Tadeu da. (Orgs.). Currículo, cultura e sociedade. Tradução de Maria Aparecida Baptista. São Paulo: Cortez, p. 59-91.

Bandeira, F. A. (2002). A cultura de hortaliças e a cultura matemática em Gramorezinho: uma fertilidade sociocultural. 2002. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Centro de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

Bandeira, F. A. (2009). Pedagogia etnomatemática: ações e reflexões matemática do ensino fundamental com um grupo sócio-cultural específico. 2009. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Centro de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

Brasil. (1997). Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática (1° e 2º ciclos). Brasília: MEC/SEF

Brasil. (2003) Ministério da Educação/MEC. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira/INEP. Diretoria de Avaliação da Educação Básica/DAEB. Qualidade da Educação: uma nova leitura do desempenho dos estudantes da 4ª série do ensino fundamental.

D‟ambrosio, U. (1988). Etnomatemática se ensina? Bolema, a. 3, n. 4, UNESP/Rio Claro, p. 13-16.

D‟ambrosio, U. (1990). Etnomatemática: arte ou técnica de explicar e conhecer. São Paulo: Ática.

D‟ambrosio, U. (1996). Educação matemática: da teoria à prática. Campinas, SP: Papirus.

D‟ambrosio, U. (2001). Etnomatemática: elo entre as tradições e a modernidade. Belo Horizonte: Autêntica.

D‟ambrosio, U. (2002). Ethnomathematics an overview. In: Congresso Internacional de Etnomatemática, 2., 2002, Ouro Preto, MG. Anais. Ouro Preto, MG: Universidade de Ouro Preto, 1 CD-ROM.

D‟ambrosio, U. (2004). Um enfoque transdisciplinar à educação e à história da matemática. In: Bicudo, Maria Aparecida Viggiani; BORBA, Marcelo de Carvalho (Org.). Educação matemática: pesquisa em movimento. São Paulo: Cortez, p. 13-29.

Dewey, J. (1959). Democracia e educação. Tradução de Godofredo Rangel e Anísio Teixeira. São Paulo: Nacional.

Freire, P. (1987). Pedagogia do oprimido, 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Gerdes, P. (1991). Cultura e o despertar do pensamento geométrico. Curitiba: UFPR.

Knijnik, G. (2006). Educação matemática, culturas e conhecimento na luta pela terra. Santa Cruz do Sul: EDUNISC.

Lopes, A C; Macedo, E. (Orgs.). (2005). Currículo: debates contemporâneos. São Paulo: Cortez.

Mignoni, E. P. (1994). A trama ideológica do currículo: a visão do professor de matemática. 1994. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP.

Moreira, A. F. (1990). Currículos e programas no Brasil. Campinas, SP: Papirus.

Moreira, A. F., Silva, T. T. (Orgs.). (2002). Currículo, cultura e sociedade. Tradução de Maria Aparecida Baptista. São Paulo: Cortez.

Oliveira, E. C. (2002). Currículo recomendado, ensinado e aprendido: o currículo de matemática da rede municipal de ensino de São Paulo. São Paulo: Arte & Ciência.

Vergani, T. (2000). Educação etnomatemática o que é? Lisboa: Pandora.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c)



Revista Latinoamericana de Etnomatemática: perspectivas socioculturales de la Educación Matemática
e-ISSN: 2011-5474
Departamento de Matemáticas y Estadística- Universidad de Nariño
San Juan de Pasto- Colombia
E-mail: revista@etnomatematica.org
Sitio web: http://www.revista.etnomatematica.org
Tele-fax: (57)2+7310327

Licencia Creative Commons
Revista Latinoamericana de Etnomatemática por Universidad de Nariño y Red Latinoamericana de Etnomatemática se distribuye bajo una Licencia Creative Commons Atribución 4.0 Internacional.