Etnomatemática e modelagem: a análise de um problema retórico babilônio

Milton Rosa, Daniel Clark Orey

Resumen


Resumo

Nessa investigação, a modelagem matemática foi utilizada como um processo que providencia a tradução de um sistema, que representa um aspecto do conhecimento matemático babilônio, para a matemática acadêmica. No programa etnomatemática, a modelagem pode ser descrita como uma linguagem utilizada para traduzir e descrever, matematicamente, os sistemas retirados do cotidiano de grupos culturais distintos. Assim, a ênfase dessa investigação está direcionada para o aspecto etnomatemático e retórico da resolução de situações-problema relacionadas com a área de figuras retangulares, que foi amplamente utilizada pelos babilônios na antiguidade para resolver problemas enfrentados no cotidiano. Outro aspecto importante desse estudo é a tradução dessa prática para a matemática acadêmica com a utilização dos recursos e técnicas da modelagem buscando o seu relacionamento com os objetivos do programa etnomatemática.

Palavras-chave: Etnomatemática; Modelagem; Solução Retórica; Babilônios; Solução Geométrica; Equações Quadráticas.

Abstract

In this research, mathematical modeling is used as a process to provide a translation of a mathematical system that represents an aspect of Babylonian knowledge into academic mathematics. In any ethnomathematics program, modeling is a language used to mathematically translate and describe systems by distinct cultural groups. Thus, the emphasis of this research is directed toward an ethnomathematical rhetorical aspect and the resolution of a problem-situation related to calculating a rectangular area, which was widely used in ancient times by the Babylonians to solve problems faced in their daily lives. Another important aspect of this study is the translation of this practice for academic mathematics with the use of resources and techniques of modeling seeking its relationship with the ethnomathematics program objectives.

 

Keywords: Ethnomathematics; Modeling; Rethorical Solution; Babylonians; Geometric Solution; Quadratic Equations.


Palabras clave


Etnomatemática; Modelagem; Solução Retórica; Babilônios; Solução Geométrica; Equações Quadráticas

Referencias


Bassanezi, R. C. (2002) Ensino-aprendizagem com modelagem matemática. São Paulo, SP: Editora Contexto.

Baumgart, J. K. (1969). The history of algebra. IN: Thirty-first NCTM Yearbook. Historical topics for the mathematics classroom (pp. 233-260). Washington, DC: NCTM.

Bourbaki, N. (1998). Elements of the History of Mathematics. New York, NY: Springer-Verlag.

D’Ambrosio, U. (1990). Etnomatemática. São Paulo, SP: Editora Ática.

D’Ambrosio, U. (1993). Etnomatemática: um Programa. A Educação Matemática em Revista, 1(1), p. 5-11, 1993.

D’Ambrosio, U. (2001). Etnomatemática: elo entre as tradições e a modernidade. São Paulo, SP: Editora Autêntica.

D’Ambrosio, U. (2011). A busca da paz como responsabilidade dos matemáticos. Cuadernos de Investigación y Formación en Educación Matemática, 7(7), p. 201-215.

Eves, H. (2004). Introdução à História da Matemática. Tradução de Higyno H. Domingues. Campinas, SP: Editora UNICAMP.

Ferreira, E. S. (1991). Por uma teoria da etnomatemática. BOLEMA, 7, p. 30-35, 1991.

Hall, E. T. (1989). Beyond Culture. New York, NY: Anchor Books.

Hoyrup, J. (2002). Lengths, widths, surfaces: portrait of old Babylonian algebra and its kin. New York, NY: Springer-Verlag.

Joseph, G. G. (1991). The crest of the peacock: non-European roots of mathematics. Princeton, NJ: Princeton University Press.

Neugebauer, O., Sachs, A. (1945). Mathematical cuneiform texts. New Haven, CT: American Oriental Society.

Rosa, M. (2007). Um problema babilônio. Revista do Professor de Matemática (RPM), 62, p. 22-24.

Rosa, M. (2008). Uma solução geométrica babilônia. Revista do Professor de Matemática (RPM), 67, p. 1-3.

Rosa, M., Orey, D. C. (2003). Vinho e queijo: Etnomatemática e modelagem. BOLEMA, 6(20), p. 1–16.

Rosa, M., Orey, D. C. (2005). Tendências atuais da etnomatemática como um programa: rumo à ação pedagógica. ZETETIKÉ, 13(23), p. 121-136.

Rosa, M., Orey, D. C. (2006). Translating and modeling a Babylonian mathematics problem. Communicator, California, 30(3), p. 32-34.

Rosa, M., Orey, D. C. (2007). Cultural assertions and challenges towards pedagogical action of an ethnomathematics program. For the Learning of Mathematics, 27(1), p. 10-16.

Struik, D. J. (1987). A Concise History of Mathematics. New York, NY: Dover Publications.

Teresi, D. (2002). Lost discoveries: the ancient roots of modern science – from the Babylonians to the Maya. New York, NY: Simon & Schuster.

Vogeli, B. D. (1969). Babylonian numeration system. In the Thirty-first Yearbook edited by NCTM. Historical topics for the mathematics classroom (pp. 36-37). Washington, DC: National Council of Teachers of Mathematics.

Waerden, B. L. (1961). Science Awakening. New York, NY: Oxford University Press.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c)



Revista Latinoamericana de Etnomatemática: perspectivas socioculturales de la Educación Matemática
e-ISSN: 2011-5474
Departamento de Matemáticas y Estadística- Universidad de Nariño
San Juan de Pasto- Colombia
E-mail: revista@etnomatematica.org
Sitio web: http://www.revista.etnomatematica.org
Tele-fax: (57)2+7310327

Licencia Creative Commons
Revista Latinoamericana de Etnomatemática por Universidad de Nariño y Red Latinoamericana de Etnomatemática se distribuye bajo una Licencia Creative Commons Atribución 4.0 Internacional.