Etnomatemática de um artefacto de latoaria do nordeste transmontano português: a almotolia

Paula Maria Machado Cruz Catarino, Cecília Costa, Maria Manuel da Silva Nascimento

Resumen


Resumo

Neste artigo damos especial ênfase às matemáticas envolvidas na almotolia – artefacto de latoaria – ao procurarmos contribuir para a valorização, divulgação e preservação de uma das mais antigas artes e ofícios tradicionais – o latoeiro – da região portuguesa de Trás-os-Montes e Alto Douro. Desenvolvemos um estudo sobre saberes (etno)matemáticos envolvidos nos processos de construção da almotolia, apoiados em entrevistas semiestruturadas a cinco latoeiros desta região e em pesquisa bibliográfica e de campo, com recurso à observação participante. Identificamos a utilização de geometria elementar. Com os resultados obtidos é possível criar tarefas matemáticas envolvendo os processos de contrução da almotolia para o ensino básico português (6 a 15 anos).

Abstract

In this paper we give special emphasis to the mathematic concepts involved in the building of the oiler and we seek to contribute to the development, dissemination and preservation of one of the oldest traditional arts and crafts - the coppersmith – of one region of northern Portugal - the region of Trás-os-Montes e Alto Douro. We developed a study on knowledge (ethno) mathematics involved in building an oiler as elements that can promote a possible relationship with mathematics and the possible contribution to elementary mathematics education. As a result, we identified geometric properties (in Portugal) and that will lead students to discover mathematics through the analysis of this cultural artifact. The study was developed through a literature review and fieldwork with participant observation through the interviews to coppersmiths in this northeastern region of Portugal.


Palabras clave


Almotolia; Etnomatemática; Educação Matemática; Geometria; Oiler; Ethnomathematics; Mathematics Education; Geometry

Referencias


Bishop, A. (1999). Enculturación Matemática. La Educación Matemática desde una perspectiva cultural. Barcelona: Editorial Paidós.

Blanco-Álvarez, H. & Parra. A. (2009). Entrevista al Profesor Alan Bishop. Revista Latinoamericana de Etnomatemática, 2(1), 69-74.

Batalha, J. P., Loureiro, L. & Pires, M. S. (2010). Guia de Portugal, 13: Trás-os-Montes. Expresso Nº 1976 de 11 de setembro de 2010. Paço de Arcos, Portugal: Expresso.

Cadeia, C., Palhares, P., & Sarmento, M. (2008). Cálculo mental na comunidade cigana. In P. Palhares (Coord.). Etnomatemática: um olhar sobre a diversidade cultural e a aprendizagem matemática (pp. 67-103). Vila Nova de Famalicão: Húmus.

Cadeia, C., Palhares, P., & Sarmento, M. (2010). As crianças ciganas nas feiras e na escola – os seus métodos de cálculo mental. Quadrante, 19(1), 71-92.

Correa, M. L., Medina Bolaños, N. & Aroca Araújo, A. (2013). Nociones de oblicuidad y horizontalidad en juegos practicados en barrios planos y de ladera. Revista Latinoamericana de Etnomatemática, 6(1), 99 -126.

Costa C., Catarino P. & Nascimento M. M. S. (2007). How about mathematics transform my land in the ‘capital of universe’?. In Proceedings of ESU5 - 5th European Summer University on the History and Epistemology in Mathematics Education (p. 697 abstract). Czech Republic, Prague: Vydavatelsky servis Plzen.

Costa C., Catarino P. & Nascimento M. M. S. (2008a). E se a Matemática transformasse a minha terra na “Capital do Universo”?. In J. M. Sousa (Org.) Atas do IX Congresso da SPCE – Educação para o sucesso: Políticas e Atores (pp.2242-2248). Porto: SPCE/Livpsic/Legis Editora.

Costa, C., Catarino, P. & Nascimento, M. M. S. (2008c). Tanoeiros em Trás-os-Montes e Alto Douro – saberes (etno)matemáticos. In P. Palhares (Coord.) Etnomatemática: um olhar sobre a diversidade cultural e a aprendizagem matemática (pp. 193-234). Vila Nova de Famalicão: Edições Húmus, Lda.

Costa, C., Catarino, P. & Nascimento, M. M. S. (2008d). Latoeiros em Trás-os-Montes e Alto Douro – saberes (etno)matemáticos. In P. Palhares (Coord.) Etnomatemática: um olhar sobre a diversidade cultural e a aprendizagem matemática (pp. 235-266). Vila Nova de Famalicão: Edições Húmus, Lda.

Costa, C., Nascimento, M. M. S. & Catarino, P. (2006). Matematizando em Trás-os-Montes e Alto Douro: uma primeira tentativa. In I. Vale & J. Portela (Eds.) Proceedings of Elementary Mathematics Education, 2nd International Meeting em CD-ROM: ISBN 978-972-99970-5-1. Portugal: Viana do Castelo.

Costa, C., Nascimento, M. M. S. & Catarino, P. (2008b). The Alto Douro “wine coopers’ mathematics”. In Proceedings of History and Pedagogy of Mathematics, HPM Satellite Meeting of ICME 11 (HPM 2008) em CD-ROM. México: Cidade do México.

Costa, C., Nascimento, M. M. S. & Catarino, P. (2008e). E se a Matemática transformasse a minha terra na "capital do universo"? (singela homenagem ao algebrista José Morgado Júnior, natural de Pegarinhos). Vila Real: Minerva Transmontana, Tipografia, Lda. ISBN 978-972-8546-19-9.

Costa, C., Nascimento, M. M. S. & Catarino, P. (2011a). The Alto Douro “wine coopers’ pi”. In A. Isman & C. S. Reis (Coord.) Proceedings of International Conference on new Horizons in Education – Inte2011 (pp. 780-784). Portugal: Guarda.

Costa, C., Nascimento, M.M.S., Catarino, P. & Fernandes, R. (2011b). The yoke: (ethno) materials for math classes. Proceedings of the 6th European Summer University in History and Epistemology in Mathematics Education, Viena, Austria, pp. 553-561.

Costa, C., Nascimento, M. M. S., Catarino, P. & Fernandes, R. (2011c). Trabalhando os jugos em Trás-os-Montes e Alto Douro. Quadrante, 19(1), 93-114.

Costa, W. N. G. & Borba, M. C. (1996). O porquê da etnomatemática na educação indígena. Revista Zetetiké, 4(6), 87-95.

D’Ambrósio, U. (2005). Sociedade, cultura, matemática e seu ensino. Educação e Pesquisa, São Paulo, 31(1), 99-120.

Gerdes, P. (2007). Etnomatemática. Reflexões sobre Matemática e Diversidade Cultural. Vila Nova de Famalicão: Edições Húmus.

Haida Group, (2013). Folha de Flandres fabricada na China. Central de Dados do Haida Group. Retirado da internet em 2013.04.25 em: http://www.tinplatechina.com/1-tinplate.html

Mattoso, J., Daveau, S. & Belo, D. (2010). Portugal – O Sabor da Terra: um retrato histórico e geográfico por regiões. Samora Correia, Portugal: Temas e Debates.

Nascimento, M. M. S., Catarino, P. & Costa, C., (2010). Douro, poema geométrico: vertente de sentido matemático. Revista de Letras. Série II, 9, 271-283.

Palhares, P. (2012). Mathematics Education and Ethnomathematics. A Connection in Need of Reinforcement. REDIMAT Journal of Research in Mathematics Education, 1(1), 79-92.

Parafita, G. A. F. (2009). Frisos nas varandas antigas de Vila Real: Contributo para um estudo etnomatemático. Tese de Mestrado. Vila Real: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.

Pires, E. (2008). Um estudo de etnomatemática: a matemática praticada pelos pedreiros. Tese de mestrado. Lisboa: Universidade Aberta.

Sant’Anna Dionísio (1987). Guia de Portugal. Trás-os-Montes e Alto Douro. I. Vila Real, Chaves e Barroso. Volume 5. Tomo I. (2ª Ed.). Coimbra: Fundação Calouste Gulbenkian.

Silva, J. C. (2007). Prefácio. In P. Gerdes (autor)

Etnomatemática. Reflexões sobre Matemática e Diversidade Cultural (pp. 9-13). Vila Nova de Famalicão: Edições Húmus.

Sousa, F. de (2007) O Alto Douro: da demarcação pombalina à classificação de património mundial. Revista População e Sociedade 13, 19-30. Retirado do endereço: http://www.cepese.pt/portal/investigacao/publicacoes/tt-populacao-e-sociedade/revista-populacao-e-sociedade-no13

Sousa, F., Palhares, P. & Sarmento, M. (2008). Calafates na Baía de Câmara de Lobos. In Pedro Palhares (Coord.) Etnomatemática: um olhar sobre a diversidade cultural e a aprendizagem matemática (pp. 157-191). Vila Nova de Famalicão: Edições Húmus, Lda.

Sousa, F., Palhares, P. & Sarmento, M. (2010). A comunidade piscatória de Câmara de Lobos: Matemática ou matemáticas? Etnomatemática ou etnomatemáticas?. Revista Quadrante, 19(1), 115-134.

Sufiatti, T., Dos Santos Bernardi, L. & Glavam Duarte, C. (2013). Cestaria e a história de vida dos artesãos indígenas da Terra Indígena Xapecó. Revista Latinoamericana de Etnomatemática, 6(1), 67-98.

Vídeo em Porto Canal Douro, Latoaria em Vila Real por Rui Santos (2011, abril, 25). Consultado em http://www.youtube.com/watch?v=ZkfIA3CIVfk


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c)



Revista Latinoamericana de Etnomatemática: perspectivas socioculturales de la Educación Matemática
e-ISSN: 2011-5474
Departamento de Matemáticas y Estadística- Universidad de Nariño
San Juan de Pasto- Colombia
E-mail: revista@etnomatematica.org
Sitio web: http://www.revista.etnomatematica.org
Tele-fax: (57)2+7310327

Licencia Creative Commons
Revista Latinoamericana de Etnomatemática por Universidad de Nariño y Red Latinoamericana de Etnomatemática se distribuye bajo una Licencia Creative Commons Atribución 4.0 Internacional.