Etnomatemática e modelagem matemática: um estudo comparativo com os processos de criação de alegorias de carnaval

Zulma Elizabete de Freitas Madruga

Resumen


Resumo

Neste artigo apresenta-se uma pesquisa cujos dados empíricos advieram de um criador de alegorias de carnaval – carnavalesco. Objetivou-se fazer uma análise comparativa entre o processo de criação de alegorias, modelagem matemática e etnomatemática. Modelagem Matemática é a arte na elaboração de um modelo; e etnomatemática é a arte de conhecer, explicar e entender os diversos fazeres e saberes das pessoas em seus contextos culturais. Os procedimentos metodológicos foram divididos em duas etapas: apreensão empírica e significação dos dados a luz da teoria. A apreensão, etnografia do lugar e da pessoa que cria as alegorias para um desfile de carnaval. Os dados foram coletados por meio de observações in loco, documentos, relatos gravados, fotos, vídeos e entrevista concedida pelo carnavalesco. A Significação implicou na organização, classificação e a análise desses dados comparando o processo de criação de alegorias pelo carnavalesco aos procedimentos de modelagem e ao programa etnomatemática. O resultado mostrou que o carnavalesco cria modelos de alegorias em sua mente, advindas de percepções e apreensões do entorno, que a partir da compreensão e do entendimento, transpassa em um modelo externo - conjunto de submodelos representados em desenhos, propostas e esquemas que uma vez produzidos ilustrarão o desfile de carnaval. A análise dos processos envolvidos na criação de alegorias do carnavalesco sugere que as pessoas que criam alguma coisa nas mais diversas áreas do conhecimento perpassam as mesmas etapas prescritas na modelagem sob uma perspectiva etnomatemática: a partir de uma situação-problema que espera compreender para então propor solução ou melhoria, busca perceber e apreender os dados de fontes diversas, compreender e explicar formulando um modelo, e significar e explicitar resolvendo e validando o modelo, gerando novos conhecimentos frente a novas necessidades impostas pelo meio, seja econômica, social, histórica ou cultural.

Abstract

This paper presents a research which empirical data were derived from a carnival floats creator – the carnivalesque. Was aimed to develop a comparative analysis between the creation process of floats, mathematical modelling and ethnomathematics. Modelling is the art of elaborating of a model; and ethnomathematics, of knowing, explaining and understanding the doings and knowledges of people in their cultural contexts. Methodological procedures were divided in two steps: empirical apprehension and data signification, in the light of the theory. Apprehension, ethnography of the place and the person who creates floats to a carnival parade. The dataset was collected in loco: Documents, recordings, pictures, videos and the interview with de carnivalesque. Signification in organizing, classifying and analysis of data, comparing to the processes of modelling under a etnomathematical perspective. The result showed that the carnivalesque creates models of the floats in his mind, derived from perceptions and apprehensions from his environment. That, from comprehension and understanding, trespasses in an external model – ensemble of sub models represented in drawings and sketches that, when produced, shall illustrate the carnival parade. Analysis of the carvalesque’s processes involved in the creation of floats suggests that people who create something, in the diverse areas of knowledge, pervades the same steps prescribed in modelling under a ethnomathematics perspective: a problem-situation catalyzes the endeavor to a solution, attempting to perceive and apprehend data derived from diverse sources, comprehend and explain, formulating a model, and signify and explicitate, solving and validating the model, engendering new knowledges forward the needs implied by the environment, whether economical, social, historic or cultural needs.


Palabras clave


Etnomatemática; Modelagem; Cognição; Criação de alegorias; Ethnomathematics; Mathematical modelling; Carnival floats creation; Etnomodelling

Referencias


Bassanezi, R. (2002). Ensino-aprendizagem com Modelagem Matemática. São Paulo: Contexto.

Biembengut, M. S. (2008). Mapeamento na Pesquisa Educacional. Rio de Janeiro: Ciência Moderna.

Biembengut, M. S. (2003). Modelagem & Processo Cognitivo.Piracicaba: III Conferência Nacional de Modelagem e Educação Matemática –CNMEM.

Biembengut, M. S. (2000). Modelagem Matemática & Etnomatemática: Pontos (In)Comuns. São Paulo: I Congresso Nacional de Etnomatemática.

Biembengut, M. S. (2007). Modelagem matemática & Implicações no Ensino e Aprendizagem de Matemática. (3ª ed.). Blumenau: Edifurb.

Biembengut, M. S. (2013). Modelagem na Matemática e Ciências da Natureza. Blumenau, Trabalho não publicado.

Biembengut, M. S. (2007). Modelling and Applications in Primary Education. In P. L. Galbraith, H. W. Henn, & M. Niss. (Eds.) Modelling and Apllications in Mathematics Education. (pp.451-456). New York: Springer.

Biembengut, M. S. (2009). 30 Anos de Modelagem Matemática na Educação Brasileira: das propostas primeiras às propostas atuais. Alexandria-Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 2(2), 7-32.

Bicudo, M. A. V. (2004). Pesquisa Qualitativa em Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica.

Brito, B. (2004). As transformações das manifestações culturais motivadas pelo fenômeno turístico. Acesso em 10 de novembro de 2010. Disponível em: http://www.etur.com.br/conteudocompleto.asp?

IDConteudo=2273

Cavalcanti, M. L. (2006). As alegorias no carnaval carioca: visualidade espetacular e narrativa ritual. Textos escolhidos de cultura e arte populares. 3(1), 17-27.

Cavalcanti, M. L. (1999). O rito e o tempo – ensaios sobre o carnaval. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

D’Ambrosio, U. (1993). Etnomatemática. (2ª ed.). São Paulo: Ática.

D’Ambrosio, U. (2001). Etnomatemática. Elo entre as tradições e a modernidade. Belo Horizonte: Autêntica.

D’Ambrosio, U. (2010). Artefatos e mentefatos na formação de professores de Matemática: um retrospecto. In: 5° Congresso Internacional de Educação Matemática, Canoas. Brasil.

Knijnik, G. (1996). Exclusão e Resistência Educação Matemática e Legitimidade Cultural. Porto Alegre: Artes Médicas.

Maturana, H., & Varela, F. J. (2001). A Árvore do Conhecimento, tradução de Humberto Mariotti e Lia Diskin. São Paulo: Palas Athena.

Moreira, M. A. (2006). Teorias de Aprendizagem. São Paulo: EPU.

Rosa, M., & Orey, D. (2006). Abordagens atuais do Programa Etnomatemática: delineando-se uma caminho para a ação pedagógica. Bolema, 19(26), 1-26.

Rosa, M., & Orey, D. (2012). O campo de pesquisa em etnomodelagem: as abordagens êmica, ética e dialética. Educação e Pesquisa, 38(4), 865-879.

Rosa, M., & Orey, D. (2005). Tendências atuais da etnomatemática como um programa: rumo à ação pedagógica. Zetetiké, 13(23), 121-136.

Rosa, M., & Orey, D. (2003). Vinho e queijo: etnomatemática e modelagem. Bolema, 16(20), 1-16.

Sebastiani Ferreira, E. (1993). Cidadania e Educação Matemática. A Educação Matemática em Revista, 1(1), 12-18.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c)



Revista Latinoamericana de Etnomatemática: perspectivas socioculturales de la Educación Matemática
e-ISSN: 2011-5474
Departamento de Matemáticas y Estadística- Universidad de Nariño
San Juan de Pasto- Colombia
E-mail: revista@etnomatematica.org
Sitio web: http://www.revista.etnomatematica.org
Tele-fax: (57)2+7310327

Licencia Creative Commons
Revista Latinoamericana de Etnomatemática por Universidad de Nariño y Red Latinoamericana de Etnomatemática se distribuye bajo una Licencia Creative Commons Atribución 4.0 Internacional.