Etnomatemática sob dois pontos de vista: a visão “D’Ambrosiana” e a visão Pós-Estruturalista

Adriana Breda, Marina do Rosário Valderez Lima

Resumen


Resumo

Este trabalho tem como finalidade apresentar duas perspectivas em que a etnomatemática pode ser concebida.Uma delas, a perspectiva ―D‘Ambrosiana‖, entende a etnomatemática como arte ou técnica de explicar econhecer dentro dos diferentes ambientes sociais e culturais com possíveis implicações pedagógicas. A outraperspectiva é a concepção da etnomatemática como um mecanismo de governo, pois, segundo teorizaçõespós-estruturalistas propostas por Foucault (1998) e Bampi (2003), as práticas etnomatematicas sãoconsideradas como um dispositivo de governo multicultural que hierarquiza modos de existência singularesfixando-os em uma identidade etnomatizada. O intuito deste estudo é mostrar teoricamente como as duasteorizações foram ganhando espaços na história da Educação Matemática e quais as suas contribuições tantopara a Educação Matemática, quanto para a Formação do Professor de Matemática.

Abstract

This work aims to present two perspectives in which ethnomathematics can be conceived. As per―D‘Ambrosian‖ perspective, the ethnomathematics is understand as art or technique of explain and perceivewithin the different social and cultural environments with pedagogical implications. Theother perspective is the conception of ethnomathematics as a mechanism of government because, accordingto theories proposed by poststructuralist Foucault (1998) and Bampi (2003), ethnomathematics practices areregarded as a device that multicultural government ranks natural modes of existence fixing it to an identityethno-nuanced. The intention of this study is present theoretically how the two perspectives gained space inMathematics Education‘s history and what is its contribution to both education and teachers‘ formation.


Palabras clave


Ethnomathematics, D‘Ambrosio, Foucault, Multicultural Government, Teachers‘ training

Texto completo:

TEXTO COMPLETO

Referencias


Abreu, G. M. C. (1998). O uso da matemática na agricultura: o caso dos produtores da cana-de-açucar. Recife: UFP, 1998. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

Aragon, D. T. (2009). Formação continuada de professores de matemática: espaço de possibilidades para produzir formas de resistência – Porto Alegre, 2009, 105f.+ Anexos. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Educação. Faculdade de Educação. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre.

Bampi, L. R. (2003). Governo etnomatemático: tecnologias do multiculturalismo. Porto Alegre – RS, UFRGS, 2003, 200f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Bampi, L. R. (2007). Ordenando poder-saber: produção de identidades e hierarquização de diferenças. Educação e Realidade, 32, p. 25-42.

Bello, S. E. L. (1995). Educação Matemática Indígena: um estudo etnomatemático com os índios Guarani-Kaiova do Mato Grosso do Sul. Curitiba: UFPR, 1995. Dissertação (Mestrado - Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Bello, S. E. L. (1996). A pesquisa em Etnomatemática e a educação indígena. Zetetike (UNICAMP), 4, p. 97-106.

Bello, S. E. L. (2004). Etnomatemática e sua relação com a formação de professores: alguns elementos para discussão. In: KNIJINIK, G., WANDERER, F., OLIVEIRA, C. J. Etnomatemática. Currículo e formação de professores. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, p. 377-395.

Bello, S. E. L. (2006). Diferenciação, relações de poder e Etnomatemática: historiografia, perspectivas e (res)significaçõe .Horizontes (Bragança Paulista), Itat iba, 24(1), p. 51-68.

Bello, S. E. L., Santos, S. A., Aragon, D. T. R., & Lenzi, G. S. (2008). Governo etnomatemático: tecnologias do multiculturalismo. Zetetike (UNICAMP), v. 16, p. 239-245.

Chieus, G. Jr. (2009). A Braça da Rede, uma Técnica Caiçara de Medir. Revista Latinoamericana de Etnomatemática, 2(2), ago 2009.

Corazza, S. M. (2002). Labirintos da pesquisa, diante dos ferrolhos. In: COSTA, M.V. (org). Caminhos investigativos: novos olhares na pesquisa em educação. Rio de Janeiro: DP&A editora, p.105-131.

Domite, M. C. (2004). Da compreensão sobre a formação de professores e professoras numa perspectiva etnomatemática. In: KNIJINIK, G., WANDERER, F., OLIVEIRA, C. J. Etnomatemática. Currículo e formação de professores. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, p. 419-431.

Dean, M. (1999). Governmentality: Power and rule in mo dern society. London: Sage, p.9-27. (Trad. Ricardo Uebel).

D‘Ambrósio, U. (1993). Etnomatemática: arte ou técnica de explicar e conhecer. 2ª ed. São Paulo: Ática S.A.

D‘Ambrósio, U. (1996). Globalização e Multiculturalismo. Blumenau: FURB.

D‘Ambrósio, U. (1999). Educação para uma sociedade em transição. Campinas:SP.

D‘Ambrósio, U. (2001a). Transdisciplinaridade. São Paulo: Palas Athena.

D‘Ambrósio, U. (2001b). Etnomatemática: elo entre as tradições e a modernidade. Belo Horizonte: Autêntica.

D‘Ambrósio, U. (2002). Etnomatemática e Educação. In: Reflexão e ação. Santa Cruz do Sul: Editora da UNISC, p. 07-20.

Fernández, R. (1999). Multiculturalismo Intelectual. Revista USP (Universidade de São Paulo), nº 42, jun/ago 1999, p. 84-95. Disponível em: acesso em 20 deNov. de 2009.

Foucault, M. (1987). A Arqueologia do Saber. 3ª edição. Rio de Janeiro: Forense.

Foucault, M. (1998). Microfísica do poder. 7ª Ed. Rio de Janeiro: edições Graal.

Foucault, M. (2002). A ordem do discurso: Aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. Tradução de Edmundo Cordeiro com a ajuda para a parte inicial do António Bento. Cyberfil: literatura digital. Disponível em: acesso em: 30 ago. 2010

Gerdes, P. (1991). Etnomatemática: cultura, matemática e educação. Moçambique: Instituto superior pedagógico.

Gerdes, P. (1996). Etnomatemática e Educação Matemática: Uma panorâmica geral‖. In: Quadrante, 5(2), p. 105-138.

Ghiraldelli JR, P. (2004). A virada lingüística. In. Ghiraldelli JR. P. Professor Virtual. Disponível em: . Acesso em: 15 maio 2011.

Giongo, I. M. (2008). Disciplinamento e resistência dos corpos e dos saberes: um estudo sobre a educação matemática da Escola Estadual Técnica Agrícola Guaporé. São Leopoldo: UNISINOS, 2008. 199f. Tese de Doutoramento (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, UNISINOS, São Leopoldo.

Hall, S. (2003). Da Diáspora: Identidades e Mediações Culturais. Organização: Liv Sovik, Editora UFMG, Belo Horizonte.

Knijnik, G. (1996). Exclusão e Resistência, Educação Matemática e Legitimidade Cultural. Porto Alegre: Artes Médicas.

Knijnik, G. (2004). Itinerários da etnomatemática: questões e desafios sobre o cultural, o social e o político na educação matemática In: Knijinik, G., Wanderer, F., Oliveira, C. J. Etnomatemática. Currículo e formação de professores. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, p. 19-38.

Knijnik, G. (2003). Currículo, etnomatemática e educação popular: um estudo em um assentamento sem terra. Currículo Sem Fronteiras, online, 3(1), p. 96 -110.

Knijnik,G. (2004). Etnomatemática e educação no movimento Sem Terra. In: Knijinik, G., Wanderer, F., Oliveira, C. J. Etnomatemática.Currículo e formação de professores. Santa Cruz do Sul: EDUNISC. p. 219-238.

Knijnik, G., Wanderer, F. (2006). "A vida deles é uma matemática": regimes de verdade sobre a educação matemática de adultos do campo. Educação Unisinos, v. 4, p. 56-61.

Leal, C. C. F. (2010). Prácticas cotidianas y conocimientos matemáticos, estudio de caso con modistas en Bogotá, Colombia. Revista Latinoamericana de Etnomatemática, 3(1), jan/feb 2010.

Mellin-Olsen, S. (1986), Introduction, in: Hoines, Marit Johnson & Mellin-Olsen, Stieg (Eds.), Mathematics and Culture, A Seminar Report, Caspar Forlag, Radal, p. 1-3.

Moreira, D. (2004). Etnomatemática e a formação de professores. Repositório Aberto:Universidade Aberta. Disponívelem: acesso em 16 ago. 2010.

Neelmann, W. (1993). Ensino de Matemática em Moçambique e sua realização com a cultura “tradicional”. Rio Claro: UNESP, 1993. Dissertação (Mestrado) - Instituto de Geociências e Ciências exatas da UNESP, Universidade Estadual de São Paulo, Rio Claro.

Ramírez, C. (2008). Foucault professor. Texto selecionado ANPED. GT Filosofia da Educação, 2008.

Rosa, M., Orey, D. (2005). Curriculo e Matematica: Algumas Consideracoes na Perspectiva da Etnomatematica e da Modelagem. In: IV Conferencia Nacional sobre Modelagem e Eduacao Matematica, Feira de Santana BA.

Santos, A. (2010). Etnomatemática: um olhar ético sobre um jogo e suas regras. Porto Alegre, 2010, 103 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Silva, T. T. (1999). O currículo como fetiche: a poética e a política do texto curricular. Belo Horizonte: Autêntica.

Veiga-Neto, A. (2003). Foucault e a Educação. Belo Horizonte: Autentica.

Veiga-Neto, A. (2005). Governo ou Governamento. Currículo sem Fronteiras (Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil), 5(2), p.79 -85, Jul/Dez 2005.

Veiga-Neto, A., Lopes, M. C. (2007). Identidade, cultura e semelhanças de família: as contribuições da virada lingüística. In: Bizarro, R. (org.). Eu e o outro: estudos multidisciplinares sobre Identidade(s), diversidade(s) e práticas interculturais. Porto: Areal, p.04.

Walkerdine, V. (1995). O raciocínio em tempos pós- modernos. Educação & Realidade, 20(1), jan/jun., 1995. p. 207-226.

Walkerdine, V. (2004). Diferença, cognição e Educação matemática. In: Knijinik, G., Wanderer, F., Oliveira, C. J. Etnomatemática. Currículo e formação de professores. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, p. 109-123.

Zaslavsky, C. (1973). Africa Counts: Number and Pattern in African Culture. Third revised ed., 1999. Chicago: Lawrence Hill Books.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c)



Revista Latinoamericana de Etnomatemática: perspectivas socioculturales de la Educación Matemática
e-ISSN: 2011-5474
Departamento de Matemáticas y Estadística- Universidad de Nariño
San Juan de Pasto- Colombia
E-mail: revista@etnomatematica.org
Sitio web: http://www.revista.etnomatematica.org
Tele-fax: (57)2+7310327

Licencia Creative Commons
Revista Latinoamericana de Etnomatemática por Universidad de Nariño y Red Latinoamericana de Etnomatemática se distribuye bajo una Licencia Creative Commons Atribución 4.0 Internacional.