Afetividade, etnomatemática e cultura negra

Vanisio Luiz Da Silva

Resumen


Resumo

Este ensaío reflexivo repercute um estudo de doutoramento que promoveu um debate em torno do Projeto Educação Para Todos (EPT) no Brasil. Especialmente, os tópicos intitulados: necessidades básicas de aprendizagem; atenção na aprendizagem e; ambiente adequado à aprendizagem. Ele, o debate, buscou conectar os ideais de uma Educação Matemática Para Todos (EMPT) às determinações da Lei 10.639/03, analisando processos e modos de apredizagem-ensino culturais aflorados na Etnomatemática, em confluência com a Psicologia Cognitiva e Social. Fundamentando-se, para tanto, no conceito de inclusão perversa, em referências sobre aprendizagem sócio-histórica e sobre a africanidade brasileira, descrita por Munanga e Silva. Buscando, atender especificidades da população brasileira, não destacadas na educação escolar.

Abstract

This reflective essay reports on a doctoral study that contributes to the debate about the Project Education for All (EPT) in Brazil. Especially for the topics entitled—basic learning needs, attention to learning, and suitable environment for learning—the debate sought to connect the ideals of a Mathematics Education for All (EMPT) the provisions of Law 10.639/03, analyzing processes and modes of teaching-learning cultural programs touched upon in Ethnomathematics, the confluence of Cognitive and Social Psychology. This report is based on the concept of perverse inclusion in references to socio-historical learning and Brazilian Africanity described by Munanga and Silva and seeks to attend to specifics of the Brazilian population, not highlighted in school education.


Palabras clave


Educaçãora Para Todos; Educação Matemática; Etnometemática; Africanidade; Cognição, Education For All; Mathematics Education; Ethnomathematics; Africanism; Cognition

Referencias


Costa, W. G., & Silva, V. L. (2010). A desconstrução das narrativas e a reconstrução do currículo: a inclusão dos saberes matemáticos dos negros e dos índios brasileiros. Educar em Revista (Impresso), 36, 245-260.

D’Ambrosio, U. (2011a). Uma síntese sociocultural da história da matemática. São Paulo: Proem.

D’Ambrosio, U. (2011b). Educação para uma sociedade em transição. Natal: EDUFRN.

Domite, M. do C. (2006). Da compreensão sobre a formação de professores e professoras numa perspectiva etnomatemática. In Knijnik, G. F. W. Etnomatemática: curriculo e formação de professores. Santa Cruz do Sul: UDUNISC, 419 - 43.

Falcão, J. T. (2003). Psicologia da Educação Matemática: uma introdução. Belo Horizonte: Autêntica.

Fiorentini, D., & Lorezato, S. (2007). Investigação em educação matemática: percursos teóricos e metodologicos. Campinas: Autores associados,.

Gadotti, M. (2000). Perspectivas atuais da educação. São Paulo em perspectiva, São Paulo, 14(2), 3-11.

Kilpatrick, J., & Silver, E. (2004). Uma tarefa inacabada: Desafios aos educadores matemáticos para as próximas décadas. Educação e Matemática, 80,70-85, novembro/dezembro.

Munanga, K. (2007). O que é africanidade. Biblioteca entre livros, São Paulo, Edição especial nº 6.

Oliveira, E. O. (2003). A cosmovisão africana no Brasil: elementos de uma filosofia afrodescendente. 3 ed. Curitiba: Editora Gráfica Popular, - Também disponível em acesso em: 07/08/2014.

Pais, A., & Pohl, S. H. (2013). To participate or not to participate? that is not the question! Eighth Congress of European Research in Mathematics Education (CERME), 8, 2013, Ankara. Disponível em: acesso em 17 de julho de 2014.

Sawaia, B. B. (2001). Exclusão ou inclusão perversa? In: As artimanhas de exclusão: análise psicossocial e ética da desigualdade social. Petrópolis: Vozes.

Silva, V. L. da. (2008). A cultura negra na escola pública: uma perspectiva etnomatemática. Dissertação de mestrado, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo.

UNESCO. (1948). Declaração Universal Dos Direitos Humanos. Unesco. Disponível em: < http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001394/139423por.pdf: 20/10/2016.

UNESCO. (1990). Declaração Mundial sobre Educação para Todos: satisfação das necessidades básicas de aprendizagem. Jomtien: UNESCO. Disponível em: acesso em: 23/06/2013.

UNESCO. (2000). Educação Para Todos: O compromisso de Dakar. Brasília: Ação Educativa, Disponível em:< http://unesdoc.unesco.org/images/0012/001275/127509porb.pdf > acesso em: 23/06/2013.

Valero, P. (2013). Mathematics For All And The Promise Of A Bright Future. Eighth Congress of European Research in Mathematics Education (CERME), 8, Ankara. Disponível em: acesso em 17 de julho de 2014.

Vygotsky, L. S. (2007) A formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.

Comentarios sobre este artículo

Ver todos los comentarios


Copyright (c) 2017



Revista Latinoamericana de Etnomatemática: perspectivas socioculturales de la Educación Matemática
e-ISSN: 2011-5474
Departamento de Matemáticas y Estadística- Universidad de Nariño
San Juan de Pasto- Colombia
E-mail: revista@etnomatematica.org
Sitio web: http://www.revista.etnomatematica.org
Tele-fax: (57)2+7310327

Licencia Creative Commons
Revista Latinoamericana de Etnomatemática por Universidad de Nariño y Red Latinoamericana de Etnomatemática se distribuye bajo una Licencia Creative Commons Atribución 4.0 Internacional.