Etnomatemática e a construção de uma educação multicultural na escola

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.22267/relatem.20132.59

Palabras clave:

Etnomatemática, Multiculturalidade, Ensino de matemática, Jogos africanos.

Resumen

Este estudo objetiva apresentar a Etnomatemática enquanto proposta pedagógica multicultural, que contribui no ensino de matemática a partir da utilização do jogo africano yoté, considerando a relevância de uma educação pautada no respeito às contribuições africanas e afrodescendentes na produção do conhecimento matemático e à potencialidade do trabalho docente na organização de estruturas curriculares inclusivas, antirracistas e não discriminatórias. Metodologicamente, o estudo se materializa a partir de uma abordagem qualitativa, do tipo teórico-reflexiva, em uma dimensão exploratória-analítica. Teoricamente, se assenta no pensamento de autores como Topázio (2013); Gerdes (2007); Libâneo (2007); Bueno (2001); D´Ambrosio (2001; 1996); Freire (2016; 2017), entre outros. Diante da discussão realizada, observa-se que uma educação multicultural é relevante no ensino de Matemática na perspectiva de contribuir para a descentralização do pensamento eurocêntrico na organização social do trabalho pedagógico e na visibilização de manifestações matemáticas culturais, historicamente situadas e contextualizadas a partir de uma perspectiva étnico-racial. A inserção de jogos africanos no processo de ensino e aprendizagem matemática caracteriza-se enquanto estratégia metodológica que possibilita a utilização de recursos lúdicos que explorem o processo de construção e mobilização do conhecimento matemático a partir de uma ótica descentralizada, permitindo o redimensionamento de abordagens pedagógicas hegemônicas eurocentristas e a ressignificação de modelos de ensino homogêneos.

 

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Willyan Ramon de Souza Pacheco Pacheco, Willyan Ramon de Souza, Centro de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Mestrando em Educação, na linha Educação, Construção das Ciências e Práticas Educativas, no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Licenciado em Pedagogia pelo Centro de Formação de Professores da Universidade Federal de Campina Grande. Vinculado ao Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Práticas Educativas em Movimento (GEPEM/UFRN) e ao Grupo Interdisciplinar de Estudos e Pesquisas em Educação, Linguagem e Práticas Sociais (GIEPELPS/UFCG). Bolsista GM no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Citas

Bandeira, F. A. (2016). Pedagogia etnomatemática: Reflexões e ações pedagógicas em matemática do ensino fundamental. Natal, Brasil: EDUFRN.

Bogdan, R. C., & Biklen, S. K. (1994). Investigação qualitativa em educação: Uma introdução à teoria e aos métodos. Porto, Portugal: Porto Editora.

Bueno, J. G. S. (2001). Função social da escola e organização do trabalho pedagógico. Educar, 17 (1), 101-110.

Lei n. 9.394. (1996, 20 de dezembro). Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, Brasil: Câmara dos Deputados.

Lei n. 10.639. (2003, 09 de Janeiro). Institui a obrigatoriedade do ensino da história e cultura africana e afro-brasileira nos estabelecimentos de ensino públicos e privados. Brasília, Brasil: Presidência da República.

Lei n. 11.645. (2008, de 10 de março). Institui a obrigatoriedade do ensino da história e cultura indígena e afro-brasileira nos estabelecimentos de ensino públicos e privados. Brasília, Brasil: Presidência da República.

Rcnei. (1998). Referencial curricular nacional para a educação infantil. Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF.

PCN. (1998). Parâmetros curriculares nacionais: Matemática. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Fundamental.

D´Ambrosio, U. (2001). Etnomatemática: Elo entre as tradições e a modernidade. Belo Horizonte, Brasil: Autêntica Editora.

D’Ambrosio, U. (1996) Educação matemática: Da teoria à prática. Campinas, Brasil: Papirus.

Freire, P. (2017). Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa. (37a ed.). Rio de Janeiro, Brasil: Paz e Terra.

Freire, P. (2016). Educação e mudança. (37a ed.). São Paulo, Brasil: Paz e Terra.

Forde, G. H. A. (2008). A presença africana no ensino de Matemática: Análises dialogadas entre história, etnocentrismo e educação. (Dissertação de Mestrado, Centro de Educação, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, Brasil). Disponível em http://portais4.ufes.br/posgrad/teses

Gerdes, P. (2007). Etnomatemática: Reflexões sobre matemática e diversidade cultural. Ribeirão, Brasil: Edições Húmus.

Gonçalves, L. A. O., & Silva, P. B. G. (2003). Multiculturalismo e educação: Do protesto de rua a propostas e políticas. Educação e Pesquisa, 29(1), 109-123.

doi: 10.1590/S1517-97022003000100009

Kishimoto, T. M. (2008). O brincar e suas teorias. São Paulo, Brasil: Cengagelearning.

Kishimoto, T. M. (2000). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. (4a ed.). São Paulo, Brasil: Cortez.

Ki-Zerbo, J. (2010). História geral da África: Metodologia e pré-história da África. (2a ed.). Brasília, Brasil: UNESCO.

Libâneo, J. C. (2007). Concepções e práticas de organização e gestão da escola: Considerações introdutórias para um exame crítico da discussão atual no brasil. Revista Española de Educación Comparada, 13 (1), 1-31.

Pacheco, W. R. S. (2019). Etnomatemática no campo: Aquisição e operacionalização de saberes matemáticos por pessoas não escolarizadas. (Trabalho de Conclusão do Curso de Pedagogia, Centro de Formação de Professores, Universidade Federal de Campina Grande, Cajazeiras, Brasil). Disponível em http://dspace.sti.ufcg.edu.br:8080/jspui/handle/riufcg/8223

Paro, V. H. (1997). Gestão democrática da escola pública. São Paulo, Brasil: Ática.

Reis, R. A. (2017). O contexto escolar em análise: As práticas interdisciplinares e as mudanças no cotidiano escolar. Revista Interdisciplinaridade, 10 (1), 9-31.

Santos, E. A. C. (2010). O lúdico no processo ensino-aprendizagem. (Dissertação de mestrado, Universidad Tecnológica Intercontinental, Assunción, Paraguai).

SECAD. (2010). Yoté: O jogo da nossa história. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Brasília: Ministério da Educação.

Silva Neto, J. E., & Pacheco, W. R. S. (2017). A ludicidade como ferramenta potencializadora do processo de ensino-aprendizagem da Matemática. Anais do Congresso Nacional de Educação, Brasil, 4, 1-12.

Topázio, J. A. (2013). Etnomatemática: Uma proposta pedagógica para uma educação multicultural. Percursos, 1 (1), 89-103.

Vitti, C. M. (1999). Matemática com prazer: A partir da história e da geometria. (2a ed.). Piracicaba, Brasil: Unimep.

Descargas

Publicado

2020-11-17

Cómo citar

Pacheco, Willyan Ramon de Souza, W. R. de S. P. (2020). Etnomatemática e a construção de uma educação multicultural na escola. Revista Latinoamericana De Etnomatemática, 13(2), 25-44. https://doi.org/10.22267/relatem.20132.59

Número

Sección

Artículos de reflexión