Etnomatemática como um Programa de Pesquisa Científica Lakatosiano

Milton Rosa, Daniel Clark Orey

Resumen


O programa etnomatemática possui várias características com a metodologia científica dos programas de pesquisa Lakatosiano. Os principais componentes desse programa de pesquisa são o núcleo firme[1], as heurísticas e o cinturão protetor de hipóteses auxiliares que facilitam a análise dos fenômenos empíricos. Um dos principais objetivos do programa etnomatemática é o desenvolvimento e o fortalecimento de teorias que compõem o seu cinturão protetor, ampliando-o e tornando-o mais preciso com relação às predições[2] empíricas que são realizadas em relação ao seu núcleo firme. O núcleo firme do programa etnomatemática pode ser considerado como um conjunto de teorias irrefutáveis que possibilita a tomada de decisões metodológicas. Nesse contexto, o principal objetivo deste artigo teórico é provocar discussões sobre a etnomatemática como um programa de pesquisa Lakatosiano.


[1]Neste artigo, optamos por utilizar o termo núcleo firme ao invés de núcleo irredutível para a tradução de hard core em virtude de entendermos que o núcleo dos programas de pesquisa científica é firme ao invés de irredutível, pois deve ser sólido, resistente, inabalável e orgânico, no sentido de ser fundamentalmente organizado, servindo de base para a estruturação desses programas.

[2]Predição significa enunciar, antecipadamente, quais eventos ou fenômenos podem ocorrer com a utilização de regras certas, por pretensa adivinhação ou por meio de conjecturas. Esse é um processo de determinação de acontecimento futuros com base em dados subjetivos. Em outras palavras, as predições trabalham com estimativas do que se espera que aconteça no futuro. Geralmente, as predições são obtidas por meio de dados qualitativos.


Palabras clave


Etnomatemática, Programa de Pesquisa, Lakatos, Núcleo Firme, Cinturão Protetor, Heurísticas.

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Ascher, M.; Ascher, R. Mathematics of the Incas: code of the Quipu. New York, NY: Dover Publications, 1981.

Barton, B. (1992). A philosophical justification for ethnomathematics and some implications for education. Proceedings of the 7th International Congress on Mathematics Education (pp. 102-111). Quebec, Canada: ICME7.

Bassanezi, R. C. (2002). Ensino-aprendizagem com modelagem matemática: uma nova estratégia. São Paulo, SP: Contexto.

Blackburn, S. Dicionário Oxford de filosofia. Rio de Janeiro, RJ: Zahar, 1997.

Cardoso, V. C. (1997). As teses falibilistas e racionalistas de Lakatos e a educação matemática. Dissertação de Mestrado em Educação Matemática. Instituto de Geociências e Ciências Exatas. Rio Claro, SP: Universidade Estadual Paulista.

Chalmers, A. (1993). O que é ciência afinal? Tradução Raul Firke. São Paulo, SP: Brasiliense.

D’Ambrosio, U. (1985). Ethnomathematics and its place in the history and pedagogy of mathematics. For the Learning of Mathematics, 5(1), 44-48.

D’Ambrosio, U. (1990). Etnomatemática. São Paulo, SP: Editora Ática.

D’Ambrosio, U. (1993). Etnomatemática: um programa. A Educação Matemática em Revista, 1(1), 5-11.

D’Ambrosio, U. (2000). A historiographical proposal for non-western mathematics. In SELIN, H. (Ed). Mathematics across cultures: the history of non-western mathematics (pp. 79-92). Dordrecht, The Netherlands: Kluwer Academic Publishers.

D’Ambrosio, U. (2001). Etnomatemática: um elo entre as tradições e a modernidade. Belo Horizonte, MG: Autêntica.

D’Ambrosio, U. (2004). Gaiolas epistemológicas: habitat da ciência moderna. Anais do II Congresso Brasileiro de Etnomatemática (pp. 136-140). Natal, RN: UFRN.

D’Ambrosio, U. (2005). Sociedade, cultura, matemática e seu ensino. Revista Educação e Pesquisa, v. 31, p. 99-120.

D’Ambrosio, U. (2011). A busca da paz como responsabilidade dos matemáticos. Cuadernos de Investigación y Formación en Educación Matemática, 7(7), 201-215.

Davis, P. & Hersh, R.(1985). A experiência matemática. Rio de Janeiro, RJ: Francisco Alves.

Eglash, R. (1999). African fractals: modern computing and indigenous design. New Jersey, NJ: Rutgers University Press.

Eglash, R.; Bennett, A.; O’Donnell, C.; Jennings, S.; Cintorino, M. (2006). Culturally situated designed tools: ethnocomputing from field site to classroom. American Anthropologist, 108(2), 347-362.

Ernest, P. (1991). The philosophy of mathematics education. London, England: Falmer.

Ernest, P. (1994). Conversation as a metaphor for mathematics and learning. Informal Proceedings 13-3 (pp. 58-63). Oxford, England: Publications BSRLM.

Ferreira, E. S. (1997). Etnomatemática: uma proposta metodológica. Rio de Janeiro, RJ: Universidade Santa Úrsula.

Ferreira, E. S. (2007). Programa de pesquisa científica etnomatemática. RBHM, Especial n. 1, p. 273-280.

Halbwachs, M. (1950). La Mémoire collective. Paris, France: Presses Universitaires de France.

Hands, D. W. (1993). Popper and Lakatos in economic methodology. In Maki, U.; Gustafsson, B., & Knudsen, C. (Eds.). Rationality, institutions and economic methodology. London, England: Routledge.

Kuhn, T. S. (1962). The structure of scientific revolutions. Chicago, IL: University of Chicago Press.

Knijnik, G. (1996). Exclusão e resistência: educação matemática e legitimidade cultural. Porto Alegre, RS: Artes Médicas.

Lakatos, I. (1961) Essays in the logic of mathematical discovery. Doctorate Dissertation. King’s College. Cambridge: England: University of Cambridge.

Lakatos, I. (1970). Falsification and the methodology of scientific research programmes. In Lakatos, I., & Musgrave, A. Criticism and the growth of knowledge (pp. 191-196). Cambridge, Inglaterra: Cambridge University Press.

Lakatos, I. (1976). Proofs and refutations: the logic of mathematical discovery. Cambridge, MA: Cambridge University Press.

Lakatos, I. (1977). The methodology of scientific research programmes: philosophical papers volume 1. Cambridge, Inglaterra: Cambridge University Press.

Lakatos, I. (1978a). A Lógica do descobrimento matemático: provas e refutações. Rio de Janeiro, RJ: Zahar.

Lakatos, I. (1978b). The methodology of scientific research programmes: philosophical papers. Volume 2. Cambridge, MA: Cambridge University Press.

Lakatos, I. (1989). La metodología de los programas de investigación científica. Madrid, España: Alianza.

Miarka, R. (2011). Etnomatemática: do ôntico ao ontológico. Tese de doutorado. Instituto de Geociências e Ciências Exatas. Rio Claro, SP: Universidade Estadual Paulista.

Moreira, M. A. & Massoni, N. T. (2009). Subsídios epistemológicas para o professor pesquisador em ensino de ciências: epistemologias do século XX. Porto Alegre, RS: UFRGS.

Restivo, S., Van Bendegem, J. P., & Fischer, R. (1993). Math worlds: philosophical and social studies of mathematics and mathematics education. Albany, NY: Suny Press.

Rosa, M. (2010). A mixed-methods study to understand the perceptions of high school leader about English language learners (ELL): the case of mathematics. Doctorate dissertation. College of Education. Sacramento, CA: CSUS.

Rosa, M. & Orey, D. C. (2003). Vinho e queijo: etnomatemática e modelagem! BOLEMA, 16(20), 1-16.

Rosa, M. & Orey, D. C. (2006). Abordagens atuais do programa etnomatemática: delinenando-se um caminho para a ação pedagógica. BOLEMA, 19(26), 19-48.

Rosa, M. & Orey, D. C. (2009). De Pappus a Polya: da heurística grega à resolução de problemas. Plures Humanidades, 10(11), 12-27.

Rosa, M. & Orey, D. C. (2010). Ethnomodeling: a pedagogical action for uncovering ethnomathematical practices. Journal of Mathematical Modelling and Application, 1(3), 58-67.

Rosa, M. & Orey, D. C. (2012). O campo de pesquisa em etnomodelagem: as abordagens êmica, ética e dialética. Educação e Pesquisa, 38(4), 865-879.

Rosa, M. & Orey, D. C. (2014). Aproximações da etnomatemática com o programa de pesquisa de Lakatos. Anais do Encontro de Etnomatemática do Rio de Janeiro (pp. 190-198). Rio de Janeiro, RJ: UFF.

Sheppard, E. 2005. Knowledge production through critical GIS: genealogy and prospects. Cartographica, 40, 5–21.

Silva, O. H. M. & Laburú, C. E. (2002). Aplicação de um instrumento analítico-pedagógico baseado numa analogia com os programas de pesquisa de Lakatos (um teste no conteúdo de cinemática angular). Revista Ciências Exatas e Naturais, 4(2), s/p.

Silva, G. H. G. & Moura, A. Q. (2015). O falibilismo de Lakatos e o trabalho com investigações matemáticas em sala de aula: possíveis aproximações. Acta Scientiae, 17(2), 277-293.

Silveira, F. L. (1996). A metodologia dos programas de pesquisa. Caderno Caterinense de Ensino de Física, 13(3), 219-230.

Tedre, M. Ethnocomputing: a multicultural view on computer science. Joensuu, Finland: University of Joensuu Press, 2002.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2019 Revista Latinoamericana de Etnomatemática

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.

Revista Latinoamericana de Etnomatemática: perspectivas socioculturales de la Educación Matemática
e-ISSN: 2011-5474
Departamento de Matemáticas y Estadística- Universidad de Nariño
San Juan de Pasto- Colombia
E-mail: revista@etnomatematica.org
Sitio web: http://www.revista.etnomatematica.org
Tele-fax: (57)2+7310327

Licencia Creative Commons
Revista Latinoamericana de Etnomatemática por Universidad de Nariño y Red Latinoamericana de Etnomatemática se distribuye bajo una Licencia Creative Commons Atribución 4.0 Internacional.