Tempo e espaço flutuantes:jogos de linguagem entre Camaradas D'água

Autores/as

  • Juciara Guimarães Carvalho Universidade Federal de Santa Catarina
  • Claudia Glavam Duarte Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Palabras clave:

Tempo, Espaço, Pescadores artesanais, Jogos de linguagem matemáticos, Etnomatemática, Time, Space, Artisanal fishermen, Mathematical language games, Ethnomathematics.

Resumen

Resumo

Este artigo propõe apresentar entendimentos – às vezes desentendimentos – desenvolvidos em uma pesquisa de mestrado, concluída, envolvendo uma racionalidade matemática que se entrelaça com os modos de habitar o tempo e o espaço vivenciados pelos pescadores artesanais de Florianópolis/SC e Tramandaí/RS. Procuramos evidenciar, a partir dos jogos de linguagem de quatro Camaradas D’água, modos de operar saberes como a medição, divisão, normatização e ordenação. Assim como, tecer semelhanças de família e descontinuidades entre os jogos de linguagem presentes em cada mar-lagoa . No mundo da pesca artesanal, um tempo e um espaço são inventados para dar vida ao viver. Falamos de um tempo outro que se mistura, se divide, escapa, flui, corre e para. O tempo é peixe. Contudo, não só o tempo, mas também o espaço é peixe. Um espaço ora liso, nômade, ora estriado, mas sempre vivo, que flutua, desliza e mistura os caminhos.

Abstract

This article proposes to present understandings - sometimes disagreements - developed in a master's thesis, involving a mathematical rationality that intertwines with the ways of inhabiting time and space experienced by artisanal fishermen in Florianópolis / SC and Tramandaí / RS. We seek evidence from the four language games Comrades of water, ways of operating knowledge as the measurement division, regulation and ordination, as well as weaving family resemblances and discontinuities between the language games present in each mar-pond . In the world of artisanal fishing, a time and space are invented to give life to live . We speak of another mixture of time which is divided, escapes, flows, runs and stops. Time is fish. Space is also fish. A flat space now, nomadic, and sometimes striated, but always alive, floating, gliding and mixing paths.

 

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Juciara Guimarães Carvalho, Universidade Federal de Santa Catarina

Mestre em Educação Científica e Tecnológica pela Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil. E-mail: juciaragcarvalho@gmail.com

Claudia Glavam Duarte, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutora em Educação pela Unisinos, São Leopoldo, Brasil. Professora e coordenadora do Curso de Licenciatura em Educação do Campo da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil – Campus Litoral Norte. E-mail: claudiaglavam@hotmail.com

Citas

Carvalho, J. G. (2016) . “O mar está pra peixe”: tempo e espaço em jogos de linguagem matemáticos de pescadores artesanais. Dissertação (Mestrado em Educação Científica e Tecnológica). Florianópolis: Universidad Federal de Santa Catarina.

Condé, M. L. L. (2004). As teias da Razão: Wittgenstein e a crise da racionalidade moderna. Belo Horizonte: Argvmentvm.

Couto, M. (2012). Nas águas do tempo. In M. Couto. Estórias Abensonhadas (pp.9-14), São Paulo: Companhia das Letras.

Couto, M. (2012a). A Confissão da Leoa. São Paulo: Companhia das Letras.

Deleuze, G. (1988). Diferença e Repetição. Rio de Janeiro: Graal.

Deleuze, G. (2009). A lógica do sentido . São Paulo: Perspectiva.

Deleuze, G., & Guattari, F. (1997). Mil Platôs: capitalismo e esquizoenia 2, 5 ed. São Paulo: Editora 34.

Duarte, C. G., & Taschetto, L. R. (2013). Ciência Maior e Ciência Menor: ressonâncias da filosofia de Deleuze e Guattari na Etnomatemática. ALEXANDRIA: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia , 6(1),105-118.

Elias, N. (1998). Sobre o tempo . Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

Foucault, M. (1999). Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes.

Glock, H. (1998). Dicionário Wittgenstein. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

Kohan, W. O. (2007). A infância da educação: o conceito devir criança. In W. O. Kohan, Infância, estrangeiridade e ignorância – Ensaios de filosofia e educação (pp. 85-98). Belo Horizonte: Autêntica.

Kohan, W. O. (2015). O mestre inventor: relatos de um viajante educador. Belo Horizonte: Autêntica.

Miguel, A. (2016). Historiografia e Terapia na Cidade da Linguagem de Wittgenstein. Bolema , 30(55), 368–389.

Skliar, C. (2003) Pedagogia (improvável) da diferença: e se o outro não estivesse aí?. Rio de Janeiro: DP&A.

Veiga-Neto, A. (2011). Foucault e a Educação . Belo Horizonte: Autêntica.

Wittgenstein, L. (2014). Investigações Filosóficas. Petrópolis: Vozes.

Publicado

2017-03-15

Cómo citar

Guimarães Carvalho, J., & Glavam Duarte, C. (2017). Tempo e espaço flutuantes:jogos de linguagem entre Camaradas D’água. Revista Latinoamericana De Etnomatemática, 10(1), 62-74. Recuperado a partir de https://revista.etnomatematica.org/index.php/RevLatEm/article/view/382

Número

Sección

Artículos de reflexión

Artículos más leídos del mismo autor/a