Sobre as casas tradicionais de pau-a-pique do grupo étnico Nyaneka-nkhumbi do Sudoeste de Angola

Autores/as

  • Domingos Dias Universidad de Nariño
  • Cecília Costa Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro–UTAD
  • Pedro Palhares Universidade do Minho

Palabras clave:

Etnomatemática, Práticas matemáticas dos Nyaneka-nkhumbi, Espaço e Forma, Arquitetura vernacular, Ethnomatematics, Mathematical practices of Nyaneka-nkhumbi, Space and form, Vernacular architecture

Resumen

Resumo

Este artigo tem como objetivo recuperar, valorizar e explorar as práticas culturais do grupo étnico Nyaneka-nkhumbi do Sudoeste de Angola na visão etnomatemática evidenciadas no processo de construção de casas de pau-a-pique, tendo em conta a multiculturalidade social escolar que se verifica quase um pouco por todo lado, e em particular, Portugal com um número considerável e crescente de emigrantes africanos e de outras partes do mundo. Cada vez mais se torna pertinente preservar a memória cultural destes povos. O artigo apresenta uma introdução inerente aos estudos etnomatemáticos realizados em África por vários autores; uma metodologia baseada à conversa informal com elementos do grupo, à observação participante e a entrevistas, apoiada pelo registo fotográfico e notas de campo; os resultados da pesquisa foram desenvolvidas na Huíla (Angola) onde foram registados vários conhecimentos matemáticos impregnados com a construção de casas tradicionais dos Nyaneka-nkhumbi que podem ser aproveitados na criação de tarefas no contexto de formação, assunto em curso no projeto de doutoramento do primeiro autor.

Abstract

This paper aims to recover, develop, explore and expand the cultural practices of the ethnic group Nyaneka-nkhumbi from southwestern Angola from an ethnomathematical perspective evidenced in the construction of houses of cob wall, keeping in mind the social multiculturalism of schools that exists, in part, almost everywhere, and in particular, in Portugal with a considerable and growing number of immigrants from Africa and other parts of the world. It becomes increasingly relevant to preserve the cultural memory of these people. This paper presents an introduction to the ethnomathematics studies in Africa by various authors usnig a methodology based on informal conversation with group members, participant observation, and interviews, supported by photographic records and written field notes. The results of the research developed in Huíla (Angola) registered much important mathematical knowledge about building the traditional houses of the Nyaneka-nkhumbi that can be understood in the creation of tasks in a context of formation, a topic of interest in the first author‟s doctoral project.

 

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Domingos Dias, Universidad de Nariño

Aluno de doutoramento do Instituto de Educação da Universidade do Minho, membro colaborador do CIEC-Centro de Investigação Estudos da Criança. Braga, Portugal.

Cecília Costa, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro–UTAD

Doutora em Matemática e Agregada em Didática de Ciências e Tecnologia – especialidade em Didática de Ciências Matemáticas, pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro–UTAD, Portugal, Professora Auxiliar do Departamento de Matemática da UTAD e membro integrado do CIDTFF-Centro de Investigação Didática e Tecnologia na Formação de Formadores (Lab-DCT da UTAD). Vila Real, Portugal.

Pedro Palhares, Universidade do Minho

Doutor em Estudos da Criança – Matemática Elementar. Universidade do Minho, Portugal.

Citas

Bishop, A. (1999). Enculturación Matemática. La Educación Matemática desde una perspectiva cultural. Barcelona: Editorial Paidós.

D'Ambrósio, U. (2001). Etnomatemática – elo entre as tradições e a modernidade. Belo Horizonte: Autêntica.

Dias, D. (2011). Ensaio Etnomatemático sobre o Grupo Étnico Nyaneka-nkhumbi do Sudoeste de Angola (Trabalho de investigação de mestrado não publicado). Universidade do Porto, Porto, Portugal.

Dias, D., & Costa, C. (2011). Ethnomathematics essay on ornaments of south-western Angola Nyaneka-nkhumbi women. Proceedings of the Internacional Conference on New Horizons in Education – INTE2011, Instituto Politécnico da Guarda, Guarda, Portugal, 8 a 10.

Dias, D., Costa, C., & Palhares, P. (2013). Ethnomathematics of the southwestern Angola Nyaneka-nkhumbi ethnic group and its application to mathematics education. Comunicação apresentada na Internacional Conference of Commission for the Study and Improvement of Mathematics Teaching - CIEAEM, Turim, Itália.

Coutinho, C. P. (2014). Metodologia de investigação em Ciências Sociais e Humanas: Teoria e Práticas. 2ª Edição. Coimbra: Almedina, S.A.

Estermann, C. (1960). Etnografia do sudoeste de Angola. Vol. 2, 2.ª Ed. Lisboa: Tipografia Minerva.

Estermann, C. (1970). Penteados adornos e trabalhos das mulheres muílas. Lisboa: Junta de Investigações do Ultramar.

Gerdes, P. (1991). Etnomatemática: Cultura, Matemática, Educação. Maputo: Instituto Superior Pedagógico.

Gerdes, P. (1993). Geometria Sona, reflexões sobre uma tradição de desenhos em povos, cultura, matemática, educação. Maputo: Instituto Superior Pedagógico.

Gerdes, P. (1997). Vivendo a Matemática: Desenhos da África. São Paulo: Editora Scipione, Ltda.

Gerdes, P. (2007a). Etnomatemática – Reflexões sobre matemática e diversidade cultural. Ribeirão: Edições Húmus.

Gerdes, P. (2007b). OTTHAVA. Fazer cestos e geometria na cultura Makhuva do Nordeste de Moçambique. Nampula: Universidade Lúrio.

Gerdes, P. (2008). Jogo de Bissemis: mais de cem puzzles. Maputo: Editora Girafa.

Gerdes, P. (2011). Mulheres, Cultura e Geometria na África Austral: Sugestões para Pesquisa. Maputo: Lulu.

Gerdes, P. (2011a). Pitágoras africano: Um estudo em cultura e educação matemática. Maputo: Lulu.

Gerdes, P. (2014). Ethnogeometry: awakening of geometrical thought in early culture. Raleigh, NC: Lulu.

Melo, R. (2005). "Nyaneka-Nkhumbi": uma carapuça que não serve aos Handa, nem aos Nyaneka, nem aos Nkhumbi. Cadernos de Estudos Africanos (pp. 157–177). Lisboa, 7/8, 2004/2005.

Morris, D. (1998). Os Sexos Humanos. Uma História Natural do Homem e da Mulher. Lisboa: Terramar.

Palhares, P. (Coord). (2008). Etnomatemática – Um olhar sobre a diversidade cultural e a Aprendizagem da Matemática. Ribeirão: Edições Húmus.

Palhares, P. (2012). Mathematics Education and Ethnomathematics. A Connection in Need of Reinforcement. REDIMAT Journal of Research in Mathematics Education, 1(1), 79-92.

Zaslavsky, C. (1989). People who live in round houses. Arithmetic Teacher (pp. 18-21). USA: Reston. September 1989.

Zaslavsky, C. (1999). Africa Counts. Numbers and Pattern in African Cultures. Third Edition. Lawrence Hill Books. Chicago.

Publicado

2015-02-28

Cómo citar

Dias, D., Costa, C., & Palhares, P. (2015). Sobre as casas tradicionais de pau-a-pique do grupo étnico Nyaneka-nkhumbi do Sudoeste de Angola. Revista Latinoamericana De Etnomatemática, 8(1), 10-28. Recuperado a partir de https://revista.etnomatematica.org/index.php/RevLatEm/article/view/171

Número

Sección

Artículos de investigación