Os saberes matemáticos em armadilhas dos caçadores Nyaneka-nkhumbi do sul de Angola

Autores/as

  • Domingos Dias Universidade do Minho
  • Pedro Palhares Universidade do Minho
  • Cecília Costa Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro – UTAD

Resumen

Resumo

Os conhecimentos matemáticos não são exclusivos da escola. Por exemplo, o grupo étnico Nyaneka-nkhumbi é um dos grupos linguísticos do sul de Angola, com saberes e saberes fazer etnomatemáticos ricos e inéditos. Neste estudo pretendemos contribuir no campo da pesquisa em etnomatemática, para a valorização e divulgação de conhecimentos matemáticos ‘escondidos’ na cultura dos Nyaneka-nkhumbi, em particular, identificar esses conhecimentos matemáticos nas armadilhas deste grupo étnico. Falar de armadilhas é falar do conjunto de instrumentos usados frequentemente pelos caçadores para apanharem presas como pássaros e/ou animais diversos. Baseamo-nos em estudos desenvolvidos por vários autores da linha de pesquisa de Gerdes, D'Ambrósio, Palhares e tantos outros que são apologistas do estudo etnomatemático. As técnicas utilizadas na recolha dos dados foram: observação, entrevistas informais aos praticantes e ex-praticantes de caça, registo fotográfico e notas de campo.

Abstract

Math knowledge and skills are not found exclusively in schools. The Nyaneka-nkhumbi ethnic group is one of the linguistic groups in southern Angola, with rich and unknown ethnomatematics knowledge and know-how. With this study we intend to contribute to the research in ethnomathematics and to the development and dissemination of mathematics knowledge 'hidden' in the culture of Nyaneka-nkhumbi; in particular, we will identify this knowledge in the traps made by this ethnic group. In this context traps are the artifacts often used by hunters to catch prey such as birds and / or various small animals. This paper is based on studies by various authors such as Gerdes, D'Ambrosio, Palhares and many others who are apologists of ethnomathematical studies. The procedures used to collect the data were: direct observation, informal interviews with hunters and former hunters, photographic records and field notes.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Domingos Dias, Universidade do Minho

Aluno de doutoramento do Instituto de Educação da Universidade do Minho, membro colaborador do CIEC - Centro de Investigação Estudos da Criança. Braga, Portugal.

Pedro Palhares, Universidade do Minho

Doutor e Agregado em Estudos da Criança – Matemática Elementar pela Universidade do Minho, Portugal, Professor Associado do Departamento de Estudos Integrados de Literacia, Didática e Supervisão do Instituto de Educação da Universidade do Minho, membro integrado do CIEC - Centro de Investigação Estudos da Criança. Braga, Portugal.

Cecília Costa, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro – UTAD

Doutora em Matemática e Agregada em Didática de Ciências e Tecnologia – especialidade em Didática de Ciências Matemáticas, pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro – UTAD, Portugal, Professora Auxiliar Departamento de Matemática da UTAD e membro integrado do CIDTFF - Centro de Investigação Didática e Tecnologia na Formação de Formadores (Lab-DCT da UTAD). Vila Real, Portugal.

Citas

Banks, J. (1989). Multicultural education: Issues and perspectives. Boston: Allyn and Bacon.

D’Ambrosio, U. (2002). Etnomatemática. Elo entre as tradições e a modernidade. Belo Horizonte: Autêntica.

D’Ambrosio, U. (2014). Las bases conceptuales del Programa Etnomatematica. Revista Latinoamericana de Etnomatemática, 7 (2), 100-107.

De Deus, A.F., Xavier, C.C., Teixeira, E.P., & SÁ, S.L. de. (2006). A construção de saberes na matemática e a experiência social. Revista Presença Pedagógica, 12 (70), 23-35.

Dias, D. (2011). Ensaio etnomatemático sobre o grupo étnico Nyaneka-nkhumbi do sudoeste de Angola (Tese de mestrado não publicada). Universidade do Porto, Porto, Portugal.

Dias, D. & Costa, C. (2011). Ethnomathematic essay on ornaments of south-western Angola Nyaneka-nkhumbi women. En A. Isman, & C. Reis (Eds.), Proceedings of the Internacional Conference on New Horizons in Education– INTE2011, (pp. 428-434). Instituto Politécnico da Guarda, Guarda, Portugal.

Dias, D., Costa, C. & Palhares, P. (2013). Ethnomathematics of the southwestern Angola Nyaneka-nkhumbi ethnic group and its application to mathematics education. Quaderni di Ricerca in Didattica (Mathematics), 23 (Supplemento 1), 498-507.

Dias, D., Costa, C. & Palhares, P. (2015). Sobre as casas tradicionais de pau-a-pique do grupo étnico Nyaneka-nkhumbi do Sudoeste de Angola. Revista Latinoamericana de Etnomatemática, 8 (1), 10-28.

Gerdes, P. (1997). Vivendo a matemática. Desenhos da África. São Paulo: Editora Scipione.

Gerdes, P. (2014a). Reflexões sobre o ensino da matemática e diversidade cultural. Revista Latinoamericana de Etnomatemática, 7 (2), 108-118.

Gerdes, P. (2014b). Ciência Matemática. Belo Horizonte: Instituto Superior de Tecnologias e Gestão (ISTEG).

Knijnik, G., Wanderer F. & Oliveira, C.J. (Org.). (2004). Etnomatemática, currículo e formação de professores. Santa Cruz do Sul: EDUNISC. Editora: Clarice Agnes.

Palhares, P. (Coord) (2008). Etnomatemática – Um olhar sobre a diversidade cultural e a Aprendizagem da Matemática. Ribeirão: Edições Húmus.

Palhares, P. (2012). Mathematics Education and Ethnomathematics. A Connection in Need of Reinforcement. REDIMAT Journal of Research in Mathematics Education, 1(1), 79-92.

Publicado

2015-06-30

Cómo citar

Dias, D., Palhares, P., & Costa, C. (2015). Os saberes matemáticos em armadilhas dos caçadores Nyaneka-nkhumbi do sul de Angola. Revista Latinoamericana De Etnomatemática, 8(2), 326-340. Recuperado a partir de https://revista.etnomatematica.org/index.php/RevLatEm/article/view/214